Veja o filme de M. Night Shyamalan, "Batem à Porta"

Sendo um filme de M. Night Shyamalan, “Batem à Porta” veio para cativar e prender toda a atenção dos fãs do diretor. Baseado no livro O” Chalé do Fim do Mundo”, de Paul Tremblay, nos leva até uma cabana afastada. Enquanto que seguimos uma família vivenciando o pior final de semana de suas vidas. Mas, será que é realmente bom? Vamos descobrir agora:

Veja também: Filmes que parecem uma sessão de terapia

O diretor na sua essência:

Confira tudo do filme de M. Night Shyamalan, "Batem à Porta"

É nítido que em “Batem à Porta” transmite todas as características que marcaram a carreira do diretor. Desde o início, ele cria a atmosfera de estranheza e tensão da história. Ao enfocar a conversa entre a pequena Wen e o grandalhão Leonard, os primeiríssimos planos transmitem uma forte sensação de intimidade. Mas, vai se transformando em algo esquisito. Na cabana, o cineasta explora ângulos estranhos e a disposição dos atores dentro do quadro para aumentar o suspense. Um plano muito eficaz é o que coloca a cabeça desfocada de Bautista posicionando-se entre o casal principal, sentados e amarrados.

Shyamalan também se diverte brincando com elementos tradicionais dos thrillers. A cabana isolada é um clichê do terror, bem como o próprio formato do subgênero de invasão doméstica. O trabalho sonoro também merece destaque. Pois temos sons da natureza criando tensão, ruídos para sugerir atos violentos que a câmera não mostra e uma trilha sonora eficaz composta por Herdís Stefánsdóttir.

Atuações Boas, mas roteiro complicado:

Não perca filme de M. Night Shyamalan, "Batem à Porta"

Com toda a certeza, os atores estão muito bem, com destaque para Dave Bautista, que realmente vem se revelando um bom ator nos últimos anos. O desempenho dele aqui carrega o filme em diversos momentos, e ele dota Leonard de nuances que o tornam uma figura ao mesmo tempo ameaçadora, gentil e curiosa. Sendo que os demais atores transmitem todo medo e angústia em cada cena. Porém, “Batem à Porta” cansa ao usar a repetição da desgraça como forma de criar tensão.

Ao invés de urgência, as constantes pausas e os flashbacks que conectam os eventos da isolada cabana ao restante do mundo criam um sentimento de monotonia e testam a paciência do espectador – a quem, no final, resta apenas esperar o desfecho para se certificar de que os personagens também sucumbirão a esse teste. Além do tédio, passa a sensação de que Shyamalan não confia mais na inteligência de seu próprio público. Não são poucas as vezes em que o cineasta desperdiça minutos seguidos com exposições verborrágicas, mastigando cada detalhe de acontecimentos que deveriam ser, segundo o roteiro, inexplicáveis, abrindo mão do exercício interpretativo que integra seus melhores trabalhos.

Conclusão:

No fim das contas, “Batem à Porta” é uma promessa vazia de “retorno à boa forma” de Shyamalan. Longe de ser o melhor ou o pior filme do cineasta, é um dos poucos títulos do cineasta marcado pela monotonia da austeridade. É uma noção perigosa que diminui bastante o filme, e ele até funciona bem como suspense, principalmente no início. No entanto, esse sermão  deixa uma sensação estranha, a de uma obra que até se pode admirar em alguns aspectos, mas que é bastante questionável em outros.

FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO FILMES DE ANIMAÇÃO QUE TAMBÉM SÃO COMÉDIAS ROMÂNTICAS LIVROS SOBRE MITOLOGIA GREGA, ALÉM DE PERCY JACKSON LIVROS QUE LEMBRAM “TODOS MENOS VOCÊ” ONDE ASSISTIR OS INDICADOS AO OSCAR 2024? LANÇAMENTOS DA EDITORA ALT EM 2024 Livros que serão adaptados em 2024 Contos natalinos para você ler no Kindle Unlimited Willy Wonka: Conheça as versões do personagem Expansão “Aluga-se” do The sims 4: O que esperar? A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes: vale a pena ver? Se o personagem do seu filme favorito fosse uma animação da Pixar Livros de Edgar Allan Poe em A Queda da Casa de Usher Músicas que falam sobre términos Livros com jogadores de futebol americano para você ler Livros do Grupo Editorial Record para o Dia das Crianças Conheça Cyberpunk 2077: Nenhum acaso