Como uma investida do Governo do Rio de Janeiro para as Olimpíadas do Rio 2016, o Museu do Amanhã tem apoio da Fundação Roberto Marinho e foi construído na Zona Portuária da Cidade Maravilhosa. Sua proposta é de ser um museu de artes e ciências, com mostras que alertam sobre os perigos das mudanças climáticas, degradação ambiental e do colapso social, ou seja, conscientizar as pessoas sobre os riscos de prejudicar o meio ambiente. Mais do que isso, o museu acabou virando um ponto turístico e mais uma opção de lazer para os cariocas.

Primeiro, o lugar é enorme, tanto em questão de altura quanto em largura. Com dois andares e razoável comprimento, consegue-se andar bem entre as exposições espalhadas até chegar ao final. Segundo, assim que você entra, dá de cara com um enorme globo girando no teto mostrando todos os continentes.

O primeiro andar tem algumas exposições isoladas, dentro de diferentes salas e elas variam de acordo com o período, não são fixas. É necessário sempre dar uma olhada no site para saber quais são as novas exposições, mas cada uma vale muito a pena se conferir. Caminhando para o segundo andar, tem-se, até abril, a exposição “Ameaçados – Planeta em Transformação”, com fotografias de Érico Hiller, além da exposição principal. Essa é fixa e conta com uma temática principal: Fazer pensar.

Afinal, de onde viemos? Quem somos? Onde estamos? Para onde vamos? Como queremos ir?, são essas cinco perguntas que resumem bem a exposição que se divide em 5 categorias, respectivamente: Cosmos, Terra, Antropoceno, Amanhã e Nós. Todo o percurso é feito de maneira interativa multimídia.

No momento Cosmos, há o pensamento “de onde viemos?”, mais especificamente de onde toda a humanidade veio, afinal, cosmos retrata a questão do universo em si, principalmente nossas origens. Quem visitar poderá conhecer mais do nosso planeta, do universo e até da galáxia em que estamos inseridos. Já Terra, responde o enigma “quem somos?” e há 3 grandes cubos, com conteúdos referentes à Matéria, Vida e Pensamento, ou seja, relacionados à existência da humanidade, além da Mata Atlântica também surgir em forma de fotos.

Enquanto a área do Antropoceno aborda “onde estamos?”, ou seja, como o ser humano interfere no meio ambiente em si, alterando o clima e modificando a biodiversidade. Já o Espaço do Amanhã tem relação ao questionamento “para onde vamos?”, trazendo uma reflexão das nossas consequências para o dia de amanhã, focando em atmosferas globais. Para finalizar, o Nós, que relaciona com “como queremos ir?”, convida o visitante a pensar no amanhã como se fosse hoje, como se começasse agora, com nossas escolhas.

Além da exposição principal e de muitas outras espalhadas pelo Museu, é usada a tecnologia da IRIS+, que permite um maior aprofundamento durante o passeio ao Museu do Amanhã, trazendo questionamentos do que o visitante pode contribuir para um amanhã melhor. Ou seja, todo o Museu foi pensado e estruturado com uma maior tecnologia para causar um sentimento de reflexão a quem for visitar o patrimônio da Zona Portuária. Realmente um programa para toda a família.

FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã! Filmes que são Dark Fantasy 6 livros da editora Intrínseca para o Dia Internacional da Mulher Histórias de Akira Toriyama Livros com o casal Grumpy x Sunshine FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO FILMES DE ANIMAÇÃO QUE TAMBÉM SÃO COMÉDIAS ROMÂNTICAS LIVROS SOBRE MITOLOGIA GREGA, ALÉM DE PERCY JACKSON LIVROS QUE LEMBRAM “TODOS MENOS VOCÊ” ONDE ASSISTIR OS INDICADOS AO OSCAR 2024? LANÇAMENTOS DA EDITORA ALT EM 2024 Livros que serão adaptados em 2024 Contos natalinos para você ler no Kindle Unlimited Willy Wonka: Conheça as versões do personagem Expansão “Aluga-se” do The sims 4: O que esperar?