Crítica do filme "O Telefone do Sr. Harigan"

Com a chegada do mês do Halloween, a Netflix lança uma de suas obras para empolgar os fãs do gênero do terror: “O Telefone do Sr. Harrigan”. Para quem não sabe, a produção é baseada em um conto de Stephen King e traz a amizade entre um jovem garoto e um idoso milionário. Ambos têm um vínculo por meio de livros e um celular. Quando o homem morre, o menino descobre que nem tudo que morre, se vai completamente. Mas, será que essa relação é, de fato, boa?! Vamos descobrir:

Veja também: Filmes e séries de terror para ver em Outubro

O Terror passa longe:

Leia a crítica do filme da Netflix, "O Telefone do Sr. Harigan"

Com essa premissa inicial, o diretor John Lee Hancock tenta forçar momentos de tensão, dando a entender que o velho rico esconde muito mais coisas do que poderíamos imaginar. No entanto, após a primeira meia hora, o suspense vai embora e dá lugar ao drama, algo que o filme se propõe. Por outro lado, não se aproxima em nada do terror ou suspense característicos do autor. Na verdade, as tentativas de ser próxima do gênero são bem raras e fracas, até por não não convencer que algo de estranho está a caminho.

E já que falamos de drama, “O Telefone do Sr. Harigan” entrega uma boa história, com personagens bem construídos e desenvolvidos. Dessa forma, vale destacar os protagonistas e a excelente atuação de Donald como o velho ranzinza, sisudo e introspectivo. Contudo, por retratar um ambiente escolar em algumas cenas, por vezes a narrativa se perde e se assemelha àquelas comédias teens em que o novato sofre bullying, se apaixona pela garota mais popular do colégio e, depois, vira o mocinho da história.

Confira também: 6 filmes para maratonar antes do Halloween

Poder da tecnologia na vida das pessoas:

Não perca tudo sobre "O Telefone do Sr. Harigan"

Em seguida, temos um ponto interessante da produção é que ele mostra o advento da tecnologia, dos smartphones e da internet e retrata como essa nova realidade mudou a vida das pessoas e nos trouxe ao que somos hoje. No longa, assim como acontece atualmente, o iPhone se torna símbolo de poder e distinção social. Quando Craig ganha um de seu pai no Natal, logo fica empolgado para comprar outro e presentar seu amigo idoso.

Mesmo relutante, o senhor Harrigan aceita o presente e aos poucos se rende à inovação. Assim, o aparelho assume um papel importante na trama e se torna o meio de comunicação entre os dois no pós-vida. Infelizmente, o assunto não é discutido por muito tempo, já que não existe um certo equilíbrio, ao longo da narrativa. Em um momento o drama é o foco, mas fica deslocado, rapidamente.

Conclusão:

Portanto, “O Telefone do Sr. Harrigan” revisita platitudes e pouco justifica suas referências e acréscimo de elementos no enredo, que busca dar ao drama do seu protagonista. Sendo que deixa o normalmente brilhante Jaeden Martell perdido em um oceano de choros e absolutos morais imerecidos. Como passatempo, o filme da Netflix faz correr as 1h46 de sua metragem, mas o sentimento vazio que fica quando sobem os créditos não engana: este é um filme completamente acomodado à própria mediocridade.

FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO FILMES DE ANIMAÇÃO QUE TAMBÉM SÃO COMÉDIAS ROMÂNTICAS LIVROS SOBRE MITOLOGIA GREGA, ALÉM DE PERCY JACKSON LIVROS QUE LEMBRAM “TODOS MENOS VOCÊ” ONDE ASSISTIR OS INDICADOS AO OSCAR 2024? LANÇAMENTOS DA EDITORA ALT EM 2024 Livros que serão adaptados em 2024 Contos natalinos para você ler no Kindle Unlimited Willy Wonka: Conheça as versões do personagem Expansão “Aluga-se” do The sims 4: O que esperar? A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes: vale a pena ver? Se o personagem do seu filme favorito fosse uma animação da Pixar Livros de Edgar Allan Poe em A Queda da Casa de Usher Músicas que falam sobre términos Livros com jogadores de futebol americano para você ler Livros do Grupo Editorial Record para o Dia das Crianças Conheça Cyberpunk 2077: Nenhum acaso