...
Veja tudo sobre O Fabricante de Lágrimas

Apresentado como uma releitura moderna de clássicos góticos, O Fabricante de Lágrimas veio com uma experiência que poderia ser melhor. Aliás, parece mirar em um público jovem fã de tramas fantasiosas e romances arrebatadores. No entanto, o filme tropeça em clichês e execuções superficiais. Por isso, vamos falar de O Fabricante de Lágrimas:

Veja também: O Fabricante de Lágrimas: A nova adaptação da Netflix

Um romance superfícial e que ganha mais tempo de tela:

Confira mais sobre O Fabricante de Lágrimas

Talvez o livro, com suas mais de 500 páginas da HarperCollins, possa ter conseguido desenvolver melhor a história. No entanto, esta adaptação de menos de duas horas de duração para a Netflix mal consegue arranhar sua superfície. Pois, foca muito nos sentimentos conflituosos e na tensão sexual dos personagens, deixa de explicar pormenores que teriam feito total diferença na imersão do espectador na obra.

Afinal, os assuntos como abusos infantis, adoção, traumas e os enredos do elenco teriam feito o filme se sobressair dos clichês adolescentes. Porém, acabam perdendo a chance. O romance entre Nica e Rigel, apesar do apelo “proibido” por conta do passado compartilhado no orfanato, carece de química e desenvolvimento. O enredo recorre constantemente a flashbacks para explicar o trauma dos protagonistas, mas o excesso de voz off e exposição acaba tornando a experiência cansativa.

Leia também- Filmes e séries originais da Netflix que são adaptações literárias

Mas, tem seus pontos positivos…

Não perca o filme O Fabricante de Lágrimas

Por outro lado, a atuação do elenco tem suas vantagens, como enigmático Rigel, estrelado pelo ator e rapper italiano Biondo, e a doce Nica, interpretada por Caterina Ferioli. Entre os secundários, Nicky Passarella e Eco Andriolo se destacam como as novas amigas de Nica, personagens carismáticas que, mesmo com pouco momento de cena, chamam a atenção dos espectadores. Mas que também foram subdesenvolvidas em meio ao excesso de dramas e escolha de foco do filme.

Alguns acertos pontuais, como a trilha sonora folk-pop, a bela estética e a estrutura narrativa não-linear, se perdem em meio a um mar de subtramas desnecessárias e falta de conflito. O filme tenta, sem sucesso, construir tensão com clichês como olhares penetrantes e “apelidos fofos”.

Vale a pena ver O Fabricante de Lágrimas?

Apesar da premissa interessante e do apelo visual atraente, O Fabricante de Lágrimas não cumpre o que promete. Fica a sensação de que assistimos a uma versão fragmentada e apressada de uma história que poderia render um romance adolescente genuíno e comovente. Assim, pode até fisgar o público-alvo pela estética elaborada e pela temática do polêmico romance. Mas, perde uma grande oportunidade de ser diferente dos demais.

Bridgerton (3ª): O esperar da parte dois? Séries para você assistir no Dia das Mães As Melhores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos Filmes de terror para assistir em maio 2024 FANFICS QUE VIRARAM FILMES PRODUÇÕES SOBRE FÓRMULA 1 A verdade sobre Bebê Rena Rota literária: conheça o aplicativo para leitores Top Filmes com ex-RBD FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã! Filmes que são Dark Fantasy 6 livros da editora Intrínseca para o Dia Internacional da Mulher Histórias de Akira Toriyama Livros com o casal Grumpy x Sunshine FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO