Veja mais da crítica de "Nada de Novo no Front"

Como um lembrete necessário da dura verdade esquecida por Hollywood e por discursos militaristas, vamos falar de “Nada de Novo no Front”. Aliás, o longa escolhido para representar a Alemanha no Oscar apresenta a brutal realidade dos jovens soldados na batalha das trincheiras. Inclusive, como opiniões distintas mudaram a trajetória de um país inteiro. E é isso o que vamos comentar ao longo dessa crítica de “Nada de Novo no Front”:

Veja também: Filmes favoritos para a temporada de premiação

Contexto:

De fato, o novo filme de guerra da Netflix não é tão contemporâneo assim. Com base no livro do alemão Erich Maria Remarque, que conta a sua própria experiência na Primeira Guerra Mundial, já tinham sido lançadas duas adaptações para o cinema. Sendo que uma em 1930, obra vencedora do Oscar de Melhor Filme e Melhor Direção (Lewis Milestone), e outra em 1979, em uma versão menos badalada.

Agora, a terceira adaptação, dirigida por Edward Berger, traz Paul Bäumer (Felix Kammerer) e seus amigos Albert Kropp e Franz Müller, adolescentes que se alistaram para a linha de frente no Norte da Alemanha em 1917. E chegando nos momentos finais da Primeira Guerra Mundial. A juventude alemã foi convocada com um ideal de bravura e a ambição de retornar da guerra marchando pelas ruas de Paris.

Leia a crítica de "Nada de Novo no Front"
Cena do filme “Nada de Novo no Front”

Introdução direta:

A obra começa com o desespero do jovem Heinrich (Jakob Schmidt), que morre minutos após chegar na batalha. Essa introdução serve para mostrar que o recruta era apenas mais um para uma Alemanha que pouco se importava com a sua juventude. Logo, o uniforme do soldado fora lavado e costurado, a etiqueta do seu nome na roupa vira algo descartável, assim como a sua vida. Pouco depois, o general exalta a nova turma de jovens convocada, reforçando que essa é a “melhor geração”.

Essa rápida e eficaz apresentação no primeiro ato é essencial para o andamento. Pois, com menos de 15 minutos de filme, a nova frente de soldados já está a caminho da batalha. O roteiro feito por Berger em conjunto com Lesley Paterson e Ian Stokell (ambos estreando em longas-metragens) destaca a falta de interesse da Alemanha em proteger os seus jovens, e como também haviam meninos do outro lado.

Perspectivas Distintas:

Confira a crítica de "Nada de Novo no Front"
Daniel Brühl em “Nada de Novo no Front”

“Nada de Novo no Front” é separado em duas frentes. Enquanto os soldados vão para as trincheiras, Matthias Erzberger tenta negociar o fim da guerra naquilo que se tornaria o Armistício de Compiègne, assinado entre os aliados e a Alemanha no dia 11 de novembro de 1918. O ritmo é lento, mas necessário para o espectador sentir cada reação daqueles jovens em uma batalha perdida. Uma cena que apresenta com perfeição a brutalidade da guerra expõe as reações de Bäumer ao presenciar a morte de um soldado inimigo, que se afoga no seu próprio sangue. É realmente muito difícil de assistir, além de uma atuação impressionante de Felix Kammerer.

Além disso, o diretor utiliza planos abertos e close-ups para ajudar a contextualizar o espectador em cada cenário. Como a visão ampla da natureza demonstrando calmaria em tempos de paz, assim como a aproximação dos limites nas trincheiras, criando uma atmosfera claustrofóbica. Sem contar que inclui as dificuldades que vão além de enfrentar o exército inimigo, como a falta de comida, o inverno árduo, a precariedade do bunker, a quantidade de água empoçada, entre incontáveis outras.

Conclusão:

Portanto, “Nada de Novo no Front” é uma obra definitiva sobre a Primeira Guerra Mundial. As tropas da frente ocidental ficaram presas às trincheiras e pouco conseguiram avançar. O local foi um campo de massacre: três milhões de soldados morreram por lá. Trata-se da representação de uma guerra que não foi heroica. Afinal, os jovens entendiam que era uma boa escolha colocar em risco as suas vidas e sonhos em troca de uma vitória recheada de um patriotismo prepotente e pretensioso.

LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO FILMES DE ANIMAÇÃO QUE TAMBÉM SÃO COMÉDIAS ROMÂNTICAS LIVROS SOBRE MITOLOGIA GREGA, ALÉM DE PERCY JACKSON LIVROS QUE LEMBRAM “TODOS MENOS VOCÊ” ONDE ASSISTIR OS INDICADOS AO OSCAR 2024? LANÇAMENTOS DA EDITORA ALT EM 2024 Livros que serão adaptados em 2024 Contos natalinos para você ler no Kindle Unlimited Willy Wonka: Conheça as versões do personagem Expansão “Aluga-se” do The sims 4: O que esperar? A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes: vale a pena ver? Se o personagem do seu filme favorito fosse uma animação da Pixar Livros de Edgar Allan Poe em A Queda da Casa de Usher Músicas que falam sobre términos Livros com jogadores de futebol americano para você ler Livros do Grupo Editorial Record para o Dia das Crianças Conheça Cyberpunk 2077: Nenhum acaso AMOR E LIVROS! ENTREVISTA EXCLUSIVA COM JENNA EVANS WELCH, AUTORA DE AMOR E GELATO