Confira a crítica de "Maestro", de Bradley Cooper

Trazendo Bradley Cooper como ator principal e diretor do longa, “Maestro” mostra a sua evolução, mas ainda buscando uma identidade própria. Aliás, o projeto, que está disponível na Netflix, ressalta as atuações impecáveis. Não é atoa que está presente nas categorias de “Melhor Ator e Atriz” no Oscar 2024″. Portanto, veja mais de “Maestro”:

Veja também- Onde assistir os Vencedores do Oscar? Confira a lista!

Antes, um pequeno contexto:

Em primeiro lugar, sabemos que Bradley Cooper é um nome muito conhecido em Hollywood e nos últimos anos começou a se desafiar em outras áreas além da atuação. Principalmente como produtor e também diretor. Ele estreou na direção com sucesso em Nasce uma Estrela (2018), estrelado por Lady Gaga.

Agora, parte para novos desafios com “Maestro”, cinebiografia da Netflix sobre o compositor, e pianista Leonard Bernstein. A produção narra o relacionamento e história de amor de uma vida toda entre Leonard Bernstein (Bradley Cooper) e Felicia Montealegre Cohn Bernstein (Carey Mulligan). Mas, será que é bom?

Uma cinebiografia diferente:

Veja tudo sobre "Maestro", de Bradley Cooper

De fato, cinebiografias não são nenhuma novidade em Hollywood, mas “Maestro” traz uma abordagem menos padrão para a história de vida e carreira de Leonard Bernstein. Pois, funciona como crônicas, voltadas mais para seu relacionamento de décadas com Felicia Montealegre. Por isso, é importante deixar claro que não está interessado em esmiuçar a biografia de Leonard Bernstein em detalhes para quem não o conhece – o que pode deixar muita gente perdida.

Na realidade, a música de Bernstein fica em segundo plano e o foco está completamente na personalidade por trás da figura icônica e suas contradições, com recorte voltado especialmente para seu casamento com Felicia. Isso fica claro logo na cena inicial do filme, onde o protagonista, interpretado por Bradley Cooper, aparece idoso relembrando sua vida com a personagem de Carey Mulligan. Mesmo assim, os momentos musicais estão entre os melhores da produção. Especialmente quando Leonard está regendo uma orquestra pela completa sintonia entre atuação e direção de Cooper.

Atuações que carregam o filme:

Com toda a certeza, a figura boêmia e livre, sem distinção de gênero em seus romances, Bernstein muda quando conhece Felicia em uma festa. Cooper protagoniza e encena o momento com o encanto romantizado dos grandes amores. Essa escolha permite que Carey Mulligan seja alçada a um lugar mais elevado de mitificação e a atriz inglesa pode enfim responder à expectativa que Hollywood deposita nela. Afinal, ela traz leveza, questionamentos e mudanças na vida do casal.

Sem contar que Cooper consegue passar ao público a força da natureza que é Bernstein. No entanto, poderia ter dado mais importância à construção do próprio personagem-título, que fica na reserva. Até por ser uma figura que nem todos conhecem. É claro que vemos os conflitos e momentos de tensão, mas são sempre pinceladas ou sugeridas, sem aprofundamento.

Um caminho que ainda precisa de tempo:

Veja "Maestro", de Bradley Cooper

Talvez a parte que mais me deixou confusa sobre o filme são aspectos técnicos. Apesar de ter muitos acertos, outros como cortes brutos e confusos entre as cenas e falta de uma coerência entre os momentos. Principalmente, nas cenas que vemos o casamento andando, ao longo dos anos. Além disso, a impressão que fica é que Cooper, paradoxalmente, enquanto diminui a figura de Bernstein para preservar a mítica do maestro, mete os pés pelas mãos ao tentar fazer um pouco de tudo.

Embora tenha crescido como diretor, um esforço que fica visível nas escolhas de estilo e de encenação, o galã ainda precisa lapidar melhor suas narrativas. Sim, ele está nesse caminho, que eventualmente implicará depurar esse estilo que ele tateia. Afinal, nem todos podem ser como Bernstein e assumir uma grande responsabilidade sem alguns ensaios.

Mas, vale a pena assistir Maestro?

“Maestro”é uma biografia não tão convencional como a maioria e, por isso mesmo, não vai agradar todo mundo. Já que não se propõe a contar a história da carreira artística de Leonard Bernstein nos mínimos detalhes. Uma decisão, no mínimo, ousada e estranha. Por outro lado, as atuações e a evolução de Cooper como diretor contribuem para que o longa seja algo exclusivo. Então, sim, merece a nossa atenção.

LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO FILMES DE ANIMAÇÃO QUE TAMBÉM SÃO COMÉDIAS ROMÂNTICAS LIVROS SOBRE MITOLOGIA GREGA, ALÉM DE PERCY JACKSON LIVROS QUE LEMBRAM “TODOS MENOS VOCÊ” ONDE ASSISTIR OS INDICADOS AO OSCAR 2024? LANÇAMENTOS DA EDITORA ALT EM 2024 Livros que serão adaptados em 2024 Contos natalinos para você ler no Kindle Unlimited Willy Wonka: Conheça as versões do personagem Expansão “Aluga-se” do The sims 4: O que esperar? A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes: vale a pena ver? Se o personagem do seu filme favorito fosse uma animação da Pixar Livros de Edgar Allan Poe em A Queda da Casa de Usher Músicas que falam sobre términos Livros com jogadores de futebol americano para você ler Livros do Grupo Editorial Record para o Dia das Crianças Conheça Cyberpunk 2077: Nenhum acaso AMOR E LIVROS! ENTREVISTA EXCLUSIVA COM JENNA EVANS WELCH, AUTORA DE AMOR E GELATO