...
FotoJet - Ghost in the shell

Ghost in the shell

Diversidade ainda não é o ponto forte de Hollywood. Pode ser difícil, mas acredite nas estrelas do cinema que pedem por mais diversidade nas telonas. E no que diz respeito à raça/etnia, especificamente, a indústria cinematográfica ainda possui um longo trabalho pela frente. Segundo um estudo realizado pela Escola Annenberg de Comunicação e Jornalismo, da Universidade do Sul da Califórnia (USC), que analisou os 700 filmes campeões de bilheteria lançados entre 2007 e 2014, constatou que brancos representam 73% de todos os personagens no cinema, enquanto negros foram apenas 12,5% deles, latinos foram 4,9%, 5,3% eram asiáticos, 2,9% do Oriente Médio e menos de 1% eram índios nativos americanos. E atrás das câmeras, os números também são decepcionantes.

Para essa repercussão, a expressão “whitewashing” (em inglês, “white” é branco e “washing” é limpeza) foi mais analisada e utilizada do que nunca para criticar diversas produções hollywoodianas. Essa prática antiga e recorrente da sétima arte consiste em escalar um elenco de atrizes e atores brancos para papéis de raça, cor ou etnia diferentes. Durante muito tempo, o cinema americano fez uso de tinta para transformar atrizes e atores brancos em personagens – geralmente exagerados, burlescos e carregados de estereótipos – negros ou asiáticos. O truque de maquiar atores, que ganhou o nome de blackface (cara preta) e yellowface (cara amarela), perdeu força na segunda metade do século 20. O personagem negro interpretado por Al Jolson no musical “O cantor de Jazz” (1927) e o caricato japonês Sr. Yunioshi, feito pelo americano Mickey Rooney em “Bonequinha de Luxo” (1961), são exemplos de whitewashing.

A verdade é que as raízes do preconceito racial estão fincadas na prática da escravidão e essa já acompanha a nossa sociedade desde a antiguidade, colocando sempre as outras raças e povos em posições inferiores a dos brancos. Essa visão de mundo foi transmitida de geração em geração e criou uma realidade deturpada onde se defendia que apenas a alta sociedade – majoritariamente branca – consumia cultura, justificando essa ideia de que “o consumo é maior quando as estrelas são brancas” e impedindo tanto a participação, quanto a representação fiel de uma parcela da população na produção artística.

Mark Rooney como o japonês 'Sr. Yunioshi' em 'Bonequinha de Luxo' (1961)
Mark Rooney como o ‘Sr. Yunioshi’ em ‘Bonequinha de Luxo’ (1961)

Parte das explicações de membros da cinematografia sobre a recorrência desse tipo de prática, pelo lado de quem produz filmes e séries nos EUA, recai sobre a dificuldade de se encontrar atrizes e atores para os papéis. Outra parte dos profissionais endereça a culpa à indústria e sua forma de financiamento. Sendo que existem diversos trabalhadores ao redor do mundo buscando crescer na carreira, mas são sempre rejeitados devido a sua etnia e raça. Em uma matéria da BBC ,em 2015, conta que 94% dos executivos de cinema eram brancos e que pessoas não brancas estavam sub-representadas como cineastas e atores, sendo que os mesmos acreditam que os atores brancos atraem mais público e maximizam os lucros. Isso é, nitidamente, uma desculpa já que existem diversos membros de elenco que fizeram história no cinema e que não são brancos ou de outras etnias, como Will Smith, Jackie Chan, Viola Davis e Denzel Washington.

Duas adaptações americanas para animes/mangás impulsionaram o debate sobre o “whitewashing” nos últimos tempos: A Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell, versão de O Fantasma do Futuro, e Death Note, longa da Netflix que é uma versão americana repleta de liberdades criativas da cultuada série animada de mesmo nome, mas que tirou totalmente a essência da obra. No caso de Ghost in the Shell, a controvérsia na escalação de Scarlett Johansson para o papel principal foi tão grande que a Paramount teria assumido que isso prejudicou o desempenho do filme nas bilheterias e com a crítica.

Ao mesmo tempo, os grandes estúdios não percebem que estão perdendo uma parcela do público que se preocupa com a sua representação. O whitewashing gera discussões cada vez maiores, a repercussão negativa viaja pela mídias digitais e algumas pessoas usam isso como base para ignorar um lançamento de grande porte. Um exemplo a ser citado é o filme “O Preço da Coragem” , com  Angelina Jolie que entregou uma performance incrível neste drama baseado em uma história real sobre uma mulher que teve o marido sequestrado por terroristas. A atriz chegou a receber indicações no Globo de Ouro e SAG Awards. O problema é que ela jamais deveria ter sido escalada para o papel de Mariane Pearl, uma mulher negra nascida na França, com ascendência cubana, chinesa e holandesa. O esforço da produção para fazer Jolie parecer com Pearl, incluindo a maquiagem e os penteados afro, nada mais são do que o velho blackface em pleno século XXI.

O preço da coragem
Angelina Jolie como Mariane Pearl

Houve uma época em que os brancos eram a única parcela da sociedade que tinham acesso à cultura dessa forma, mas as coisas não são mais assim. Se antes a presença de grandes artistas brancos era sinônimo de sucesso, hoje a ausência de minorias (pode incluir mulheres e homossexuais nessa conta) representadas da forma devida pesa bastante contra o longa. As pessoas querem e precisam se enxergar dentro do filme sem ter que sonhar em ser o branco de sucesso.

Os grandes estúdios precisam entender que a diversidade é uma peça chave para o momento que o entretenimento vive. As pessoas querem ser vistas nos produtos que consomem e o caminho para isso está em reciclar a mente. Grandes escritórios de publicidade e todas as outras empresas ligadas ao ramo cultural precisam abrir as portas para que mais mulheres, negros, asiáticos, indígenas possam atuar, escrever roteiros e dirigir coisas. Para que eles possam, acima de tudo, mostrar o mundo por outros pontos de vista e tirar a indústria dessa mesmice cafona. Isso permite que paradigmas sejam quebrados, formatos experimentados e novos sucessos (às vezes improváveis) encontrados. Um filme como Moonlight,vencedor do Oscar de Melhor Filme de 2017, pode ajudar os chefões a enxergarem a nossa nova realidade e perceber que nenhuma dessas mudanças vai acabar com os lucros e negócios deles.

Mesmo em casos menos gritantes e vulgares, o whitewashing persiste e representa um empecilho a uma maior diversidade na representação da experiência humana na sétima arte. A luta para essa expressão acabar ainda continua e será longa e difícil, mas enquanto houver vozes e determinação.

Bridgerton (3ª): O esperar da parte dois? Séries para você assistir no Dia das Mães As Melhores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos Filmes de terror para assistir em maio 2024 FANFICS QUE VIRARAM FILMES PRODUÇÕES SOBRE FÓRMULA 1 A verdade sobre Bebê Rena Rota literária: conheça o aplicativo para leitores Top Filmes com ex-RBD FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã! Filmes que são Dark Fantasy 6 livros da editora Intrínseca para o Dia Internacional da Mulher Histórias de Akira Toriyama Livros com o casal Grumpy x Sunshine FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO