...

Com um ar misterioso do início ao fim, Quem Era Ela, de JP. Delaney, é um convite para quem gosta de um bom thriller psicológico envolvente que deixa qualquer um com a cabeça girando  em 360º.

Quem Era Ela conta a história de duas mulheres, Emma (o antes) e Jane (agora), que se mudaram, em tempos diferentes, para a mesma casa. Porém, não uma casa comum, mas a mais moderna em termos de estrutura e tecnologia que você já imaginou. Tudo parece normal, até chegarmos nos termos para o aluguel da casa. Existem algumas regras que os inquilinos têm que cumprir como por exemplo: não possuir livros, não ser bagunceiro, ter uma saúde boa, entre outras coisas bizarras. A casa praticamente tem vida própria a ponto de despertar o pior do seu novo inquilino.

“A Governanta a anteciparia muito antes de você pensar em consultar um médico.”

JP Delaney consegue cruzar o passado e o presente de uma forma que não deixa a leitura cansativa nem chata. Pelo contrário, ela traz uma dinâmica, pois as mesmas se encaixam e se completam a ponto de deixar o leitor achando que as duas são a mesma pessoa, uma reencarnação ou sei lá. O início pode parecer um pouco arrastado, mas logo depois das 20 primeiras páginas você já vai ler com tanta facilidade que vai ficar lembrando da história durante o dia todo e querer sair correndo para ler mais um trechinho. E te garanto, você não vai querer parar.

A história vai desenhando um cenário bem psicológico em que é possível criar diversas teorias durante a leitura. É surpreendente como o autor consegue encaminhar a visão do leitor para um ponto e depois desconstruir aquilo em um passe de mágica. Gosto de livros assim, que me faça xingar um personagem e depois morrer de arrependimento por ter xingado.

“Você pode tornar o ambiente em que vive tão refinado e vazio quanto quiser. Mas isso não importa se você ainda estiver bagunçado por dentro.”

Os personagens de Quem Era Ela, são muito bem escritos e com personalidades únicas. Ao decorrer da narrativa descobrimos o lado sombrio de cada um. Quem você achava que era uma pobre inocente, na realidade era uma pessoa com caráter duvidoso. Além disso, conseguimos ver a mesma história com perspectivas diferentes, o que nos leva a questionar qual é a verdadeira.

Além disso, o livro aborda alguns temas bem polêmicos como: machismo, obsessão, depressão, entre outros. É uma história que transita muito bem pelo o que a sociedade atual está passando e o jogo de interesses que as pessoas têm umas pelas outras. Com diria tio Bauman: Modernidade Líquida.

Quem Era Ela, cumpre muito bem seu papel de thriller psicológico, pois enquanto o leitor não terminar a última página, ele vai viver durante todo o seu dia momentos que irão leva-lo de volta a história. É uma leitura envolvente e rápida. Ótima também para quem quer começar a se aventurar no gênero, pois é leve e instigante do início ao fim.

Bridgerton (3ª): O esperar da parte dois? Séries para você assistir no Dia das Mães As Melhores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos Filmes de terror para assistir em maio 2024 FANFICS QUE VIRARAM FILMES PRODUÇÕES SOBRE FÓRMULA 1 A verdade sobre Bebê Rena Rota literária: conheça o aplicativo para leitores Top Filmes com ex-RBD FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã! Filmes que são Dark Fantasy 6 livros da editora Intrínseca para o Dia Internacional da Mulher Histórias de Akira Toriyama Livros com o casal Grumpy x Sunshine FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO