...

Baseado em uma história real, o filme Boy Erased reúne grandes estrelas no elenco, como por exemplo: Nicole Kidman, Russell Crowe, Michael “Flea” Balzary, Lucas Hedges e Xavier Dolan. Mesmo só com o trailer já está sendo considerado uma aposta para o Globo de Ouro e o Oscar do ano que vem.
No longa, Jared (Lucas Hedges) é um adolescente normal que leva uma pacata vida em uma cidade interiorana dos Estados Unidos. Entretanto, ele esconde um segredo: ele é homossexual. Quando seus pais (Nicole Kidman e Russell Crowe), dois pastores evangélicos extremamente religiosos e conservadores, descobrem a verdade sobre o filho, decidem submetê-lo a um processo de “cura gay”, um inferno particular do qual Jared terá que lutar para escapar.

Independentemente das opiniões individuais sobre o assunto, o projeto da Cura Gay é real e quase fez parte de nossa realidade em pleno século XXI. Por mais espanto que projetos e outras medidas que visam “transformar” a orientação sexual de um indivíduo possam causar, a existência deles sinaliza a necessidade urgente de se debater sobre o assunto. Transformar a orientação de um indivíduo é como mudar quem realmente é.
Em 1990, a Organização Mundial da Saúde (OMS) se posicionou contra essa questão, entendendo que a homossexualidade é uma variação natural da sexualidade humana. O Órgão definiu que ela não poderia ser considerada como condição patológica.

A partir deste entendimento, uma resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP), de 1999, proibiu os profissionais de participarem de qualquer tipo de terapia para alterar a orientação sexual. Há mais de 40 anos, a Associação Americana de Psiquiatria retirou a homossexualidade de sua lista de doenças. Em 1998, a mesma organização posicionou-se contra qualquer tratamento psiquiátrico de ”reparação” ou ”conversão” de homossexuais, como já fizera a Associação Americana de Psicologia.

Porém, o problema é muito mais complexo do que nós, cidadãos favoráveis ao respeito e ao equilíbrio entre as relações humanas e seus partícipes, podemos imaginar. É fato que a vida sexual de uma pessoa não pode ser patologizada. Ou seja, ser hétero ou homossexual não é uma doença, é a vida da indivíduo que nasceu assim e merece ter uma vida longa e feliz.

Baseado no livro de memórias “Boy Erased: A Memoir of Identity, Faith, and Family”, de Garrard Conley, o longa-metragem de Joel Edgerton, que interpreta o terapeuta de Jared no drama, já está cotado para o circuito de festivais e de premiações do segundo semestre por causa de sua temática e do elenco de peso reunido para estrelar o projeto. O filme ainda não tem previsão de estreia.

Bridgerton (3ª): O esperar da parte dois? Séries para você assistir no Dia das Mães As Melhores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos Filmes de terror para assistir em maio 2024 FANFICS QUE VIRARAM FILMES PRODUÇÕES SOBRE FÓRMULA 1 A verdade sobre Bebê Rena Rota literária: conheça o aplicativo para leitores Top Filmes com ex-RBD FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã! Filmes que são Dark Fantasy 6 livros da editora Intrínseca para o Dia Internacional da Mulher Histórias de Akira Toriyama Livros com o casal Grumpy x Sunshine FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO