O Jogo das Contas de Vidro

Como um dos últimos trabalhos do autor alemão Hermann Hesse, “O Jogo das Contas de Vidro” é uma obra complexa e aprofundada da realização intelectual humana.  A obra se situa em uma sociedade futurista que tem em Castália o seu templo sagrado. Lá são realizadas as sessões cerimoniais do Jogo, que dura semanas e até meses. No entanto, cabe ao Magister Ludi, a função mais alta e sublime, de idealizar e conduzir o Jogo, que sintetiza música e astronomia, matemática e linguística, filosofia e física, o supra sumo de todo engenho e arte da humanidade.

O livro é dividido em duas partes: a primeira, narra a biografia do Magister Ludi Josephus III, José Servo; Enquanto que,   na segunda, encontramos poemas e contos de sua autoria. Hesse cria um mundo inteiramente novo, no longínquo século XXIII. Nesse mundo, como numa espécie de instituição religiosa sem religião, os homens vivem a experiência da aprendizagem constante, preparando-se para o auge em que toda a sociedade castaliana deseja: o Jogo de Avelórios.

O Jogo das Contas de Vidro
Uma obra complexa e aprofundada da realização intelectual humana.

Interessante notar nessa utopia que, apesar do mundo profano e cruel que existe fora das suas fronteiras, vamos sendo convidados a participar desse universo. Através das inquietações e pureza de José Servo, é possível analisar que ainda existe salvação para o ser humano. O personagem  possui o dom para o Jogo de Avelórios e é acolhido pelo Mestre da Música, que o orienta no seu desenvolvimento, o auxilia a desviar-se do engano durante o período de formação e é extremamente respeitado e obedecido pelo pupilo.

Um ponto no qual chama a atenção é crítica à vida acadêmica através dos questionamentos que surgem com o protagonista. Essa extensa discussão, sobre o papel da academia no mundo, é pertinente e propriamente atual. No entanto, é a maneira como o autor a faz que dificulta que o leitor se prenda na narrativa. Por isso, não é algo que vai seduzir os leitores, já que parece muito mais um documento do que um romance.

Ao mesmo tempo, é um trabalho filosófico bastante inédito, já que existem milhares de utopias, nos quais seguem uma certa tendência. Neste caso, é visto que a sociedade é movida ao conhecimento. Porém, com tantos elementos e discussões, é difícil de manter o ritmo da leitura.

Com O jogo das contas de vidro, traz críticas e complexidades, tudo junto e misturado. Hermann Hesse atinge uma capacidade de trazer algo inovador e intelectual e , ao mesmo tempo, resgata uma esperança de dias por dias melhores. Mesmo não sendo uma leitura de interesse pessoal, é impossível não comentar a respeito da importância da obra para a literatura mundial.

FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã! Filmes que são Dark Fantasy 6 livros da editora Intrínseca para o Dia Internacional da Mulher Histórias de Akira Toriyama Livros com o casal Grumpy x Sunshine FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO FILMES DE ANIMAÇÃO QUE TAMBÉM SÃO COMÉDIAS ROMÂNTICAS LIVROS SOBRE MITOLOGIA GREGA, ALÉM DE PERCY JACKSON LIVROS QUE LEMBRAM “TODOS MENOS VOCÊ” ONDE ASSISTIR OS INDICADOS AO OSCAR 2024? LANÇAMENTOS DA EDITORA ALT EM 2024 Livros que serão adaptados em 2024 Contos natalinos para você ler no Kindle Unlimited Willy Wonka: Conheça as versões do personagem Expansão “Aluga-se” do The sims 4: O que esperar?