...
Enola Holmes

Enola Holmes

Com uma perspectiva totalmente, Enola Holmes traz uma clássica “Jornada do Herói”, mas com elementos marcantes e interessantes.  Interpretada por Millie Bobby Brown, a Eleven de Stranger Things, o longa traz a irmã mais nova de Mycroft (Sam Claflin) e Sherlock Holmes (Henry Cavill), que destrói expectativas da sociedade no final do século XIX para uma garota de sua idade. Assim, ela é treinada desde cedo com a sua mãe Eudoria (Helena Bonham Carter) que a ensina a ler, escrever, lutar, pintar e praticar diversos esportes.

O enredo da história da adolescente Holmes revela um modelo de interação com o telespectador. Além de uma dinâmica na história que passa tanto o destino da Inglaterra como a procura pela mãe. Dessa forma, uma nova detetive nasce na família Holmes. A protagonista, assim como o irmão Sherlock, utiliza de seu talento e inteligência para encontrar a mãe, que a deixou em seu 16° aniversário.

Atuações divergentes, mas bem executadas:

Dona de uma personalidade forte, Enola é cativante e repetindo os traços arrogantes que acompanham a família Holmes, porém, de forma carismática. Suas interações com a câmera, que tinham tudo para soar exageradas, são felizmente usadas na medida certa, sem deixar o recurso soar cansativo.

É perceptível também a encenação de Henry Cavill  no papel de Sherlock Holmes, contudo, com um tom diferente dos demais. Neste caso, o ator transmite um irmão mais preocupado e emotivo do que  já se conhece. Porém não perde sua essência de genialidade nos casos de desaparecimento de sua mãe e busca por Enola. Enquanto que Mycroft , interpretado por Sam Claflin, traz é ranzinza e autoritário, com tamanha maestria. O mesmo obriga a nova detetive a seguir de acordo com o padrão estabelecido pela sociedade, mas é claro que falha, devido a personalidade da protagonista. Já a mãe, que tem a atuação de Helena Bonham Carter, traz uma mulher educadora e corajosa. Além disso, as cenas de envolvimento entre mãe e filha deram à história um forte fascínio emocional, que é bem marcante ao longo da história.

Enola Holmes
Enola ( Millie Bobby Brown), Sherlock (Henry Cavill) e Mycroft Holmes (Sam Claflin)

Produção dinâmica e gostosa de assistir:

O ritmo da produção também agrada, levando os personagens à vários pontos diferentes, promovendo encontros e desencontros que colocam a trama para andar. Mas sempre com boas justificativas. Outro ponto que merece destaque é a bela trilha sonora que remete ao universo de Sherlock Holmes e das tramas investigativas. A música eleva ainda mais o clima dinâmico do roteiro, fazendo um filme gostoso de assistir.

Como várias produções já fizeram antes,o filme traz ainda o famoso embate entre o antigo e o novo. No caso, isso é bem representado pela “escola para damas”. Incluindo o constante questionamento entre quem ela é e quem a sociedade diz que ela precisa ser. Novamente, não é uma discussão super inédita, mas há certo charme em como o longa coloca tudo isso em tela, misturando tudo com os tons investigativos das histórias dos Holmes.

Conclusão:

Ainda que não reinvente a roda, Enola Holmes é um filme prazeroso de assistir, que equilibra bem seus pontos positivos em contraponto com a simplicidade de sua história. É bastante interativo e dinâmico em suas cenas de ações, além de contemplar os telespectadores com a investigação característica apenas de Sherlock, mas que se espelha em Enola.

Bridgerton (3ª): O esperar da parte dois? Séries para você assistir no Dia das Mães As Melhores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos Filmes de terror para assistir em maio 2024 FANFICS QUE VIRARAM FILMES PRODUÇÕES SOBRE FÓRMULA 1 A verdade sobre Bebê Rena Rota literária: conheça o aplicativo para leitores Top Filmes com ex-RBD FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã! Filmes que são Dark Fantasy 6 livros da editora Intrínseca para o Dia Internacional da Mulher Histórias de Akira Toriyama Livros com o casal Grumpy x Sunshine FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO