É incrível como uma simples noite pode mudar completamente a vida de alguém. E é exatamente isso o que acontece com a protagonista, Mia, que tem uma vida simples e pacata até conhecer o misterioso, Alec. Sua beleza e personalidade hipnotizam e despertam novas sensações em Mia, mesmo sabendo que ele é um psicopata e que afirma ser um vampiro. Porém, isso não impede que os dois estejam criando uma conexão e não conseguem largar o desejo um pelo outro.

O primeiro ponto forte da obra de Alison M. King é a fluidez da narrativa, que ocorre bem objetivamente, sem ficar enrolando e enchendo de micro detalhes que podem acabar ficando cansativo. Essa qualidade ajuda a prender a atenção do leitor, despertando a curiosidade de como a história termina. O alinhamento e espaço também contribuem para a facilidade de ler e apreciar o desenvolvimento.

“Ela tentou fugir dos sentimentos, mas ele estava em toda parte”

A história tem ordem cronológica diferente do começo do livro, que começa em um momento bem específico e depois dá voltas em torno de fatos passados da protagonista e do presente. Pode parecer estranho de primeiro lance, mas conforme o tempo, pega o jeito e fica bem interessante.

Outro ponto forte é a própria história em si, repleta de mistérios, questões a serem discutidas e como a autora conseguiu explorar bastante a trajetória da protagonista. Mia é aparentemente uma personagem bem comum e clichê, mas quando conhecemos mais sua vida e os motivos que a levaram até a chegada de Alec, é como se fosse quase realístico e fácil de se identificar. Porém, a aparição de sua nova paixão torna a narrativa fantasiosa e misteriosa, assim como o personagem, que também acende uma chama de novidade. Falando nisso, Alec é um personagem bem curioso, mas também é objetivo, sem ficar enrolando a respeito de sua vida e o que sente por Mia. Se seu passado é realmente perigoso ou não, isso não interfere na relação do casal, e que até de certo modo, intensifica e dá um “gosto” apimentado.

Devido a isso, as cenas eróticas são as únicas que possuem mais detalhes e permitem que o leitor imagine e quase presencie, de tão claro é.

Um dos pontos que realmente incomodam no livro foram alguns erros de português em certos diálogos. Tive até uma certa dúvida se era proposital ou não, mas mesmo assim, eram bem esquisitos. E além disso, faltou um pouco mais de compreensão e desenvolvimento em alguns capítulos e personagens, que possivelmente seria mais rico para a história.

Em resumo, Noites de paixão é um livro bem gostoso de ler e rápido, com uma história bacana e bem desenvolvida, mas faltou alguma coisa a mais para completar. Ele mostra que apesar das diferenças, o amor pode vencer tudo e que uma personagem só por ser clichê não quer dizer que ela não tenha uma história própria para contar.

Willy Wonka: Conheça as versões do personagem Expansão “Aluga-se” do The sims 4: O que esperar? A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes: vale a pena ver? Se o personagem do seu filme favorito fosse uma animação da Pixar Livros de Edgar Allan Poe em A Queda da Casa de Usher