Sabe quando você já começa um livro torcendo o nariz para ele? Então, foi exatamente isso que eu fiz quando comecei a ler Daisy Jones. Eu sabia que as chances de detestar esse livro eram altíssimas, pois todo mundo tinha amado e favoritado. Ou seja, eu iria fugir da curva porque estava com as expectativas bem alta em relação a leitura. Entretanto, eu não odiei, eu simplesmente ainda não consigo decifrar o que achei do livro, mas de qualquer forma eu vou compartilhar aqui toda a minha experiência durante a leitura de Daisy Jones & The Six.

Logo de cara eu senti que a narrativa iria me incomodar. Aliás, para quem não sabe o livro é narrado em forma de documentário, como se os personagens estivessem em uma entrevista. É um formato diferente, mas eu não consegui me apegar aos personagens e muito menos colocar eles mais próximos das situações narradas. Que falando nisso não era narrada em detalhes, então foi um pouco difícil imaginar o cenário e um pouco dos personagens.

De qualquer forma eu continuei a leitura mesmo me sentindo um pouco incomodada. A Daisy me irritava, Billy era um tremendo babaca, Camila chata, Karen a mais legalzinha e Graham o mais legal. No entanto, chegou em um determinado capítulo que eu não consegui mais largar. Fiquei sem folego e muito envolvida na situação dos personagens. Passei raiva, ódio, simplesmente a leitura de Daisy Jones & The Six me levou a outro nível de leitora.

+ Veja também: Curiosidades sobre a série Daisy Jones & The Six

Sobre o que é Daisy Jones & The Six?

Bom, para situar vocês no enredo, vou resumir rapidinho a situação. O ano é 1970 e uma jovem chamada Daisy Jones sonha em ser reconhecida como compositora. Ela é jovem, uma das garotas mais bonitas que o cenário musical já teve. Do outro lado temos a banda The Six que está bombando nas rádios e tem a missão de fazer um segundo álbum tão bom quanto primeiro. O problema é eles são bem rock ‘n’ roll e precisam inovar no gênero. Então, porque não juntar Daisy Jones e a banda The six? E ai começa a nossa história que vai acompanhar toda a trajetória dessa banda e o que fez com que ela terminasse do nada.

Voltando a resenha e daqui para baixo vai ter muito spoiler 😊

 

Até o capitulo Aurora, o foco da história é apresentar os personagens e contar o início da carreira de cada um deles. Mas quando chegamos em Aurora, o conteúdo ali é só no desenvolvimento da banda Daisy Jones e The Six. Entretanto, a partir daqui temos muitos conflitos amorosos. É muito interessante que a autora realmente deu vida aos personagens, ela passa tanta tensão durante as cenas narradas que foi difícil largar ou não se sentir imerso na história.

Mas a história é o seguinte: Billy é um rebelde que quer ser estrela do rock, porém se apaixona, casa e cria uma família, mas ele ainda quer viver de muito rock ‘n’ roll, bebidas e drogas. Eu fiquei no início muito revoltada em como ele tratava a Camila, a esposa, ele fazia tanta merda. Porém eu também me perguntava porque a Camila não o largava. Do outro lado, eu achava a Daisy muito mimada e egocêntrica, não que minha opinião sobre isso tenha mudado, mas chegou uma hora que chorei junto com ela.

Livro aberto em cima da cama com uma pinha na frente e uma caneca no fundo

Música e paixão são destaques na história de Daisy Jones & The Six

O clima do livro começa quando Daisy e Billy começam a cantar juntos. Os dois juntos têm uma sintonia e química tão grande, que você consegue sentir a tensão sexual entre os dois. É muito intenso tudo que eles passam. Ela em determinado momento se vê apaixonada pelo Billy e ele também sabe que a ama, mas tem a Camila e as filhas e ele nunca faria nada para magoar a família.

É bonito vê a devoção que o Billy tem pela esposa e a consciência de que já magoou muito ela e agora só quer o bem. Entretanto, é horrível vê o quanto ele amava de verdade a Daisy e ela a ele e ambos sabiam que nunca poderiam ficar juntos. Só quem passou por isso sabe o quanto isso dói e dá vontade de chorar todos os dias. Mas ambos sabiam suas obrigações. Camila por sua vez, mesmo sabendo que o marido amava outra, preferiu mantê-lo preso ao casamento.

Alguns assuntos delicados, mas necessários

É muito complicado julgar esse triângulo, mas eu (podem me criticar) fiquei chateada com a Camila, por que como você prefere prender um homem que você sabe que é apaixonado por outra? É um pouco de egoísmo. Não que eu o queria com a Daisy, mas acho que a postura da Camila poderia ser outra. Também a ideia dela de dizer que ela iria mudar ele, bem chato isso.

É um livro que gera muitos questionamentos e julgamentos dos personagens. Sei que muita gente não gosta da Daisy, mas eu até que me simpatizei com ela no final. Digamos que senti o que ela estava passando. Então ali existiu uma certa identificação.

Outro assunto bem polêmico que o livro aborda é sobre o aborto, quando Karen resolver tirar o filho dela com Graham sem a autorização dele. Eu achei bem pertinente esse assunto e a forma que ele foi tratado. Karen estava certíssima, no meu ponto de vista, o corpo era dela e ela não estava preparada para isso, não estava disposta a isso. E vamos confessar, nem o Graham estava, ele ali no momento só queria ter uma vida parecida com a do irmão (Billy).

Mas algumas coisas fizeram falta na história

O que eu senti falta foi de um depois do fim da banda. Tudo foi muito corrido e não deram foco nisso. Também não achei lá grande coisa do plot do enredo. Poderia ter sido melhor. Ainda assim, o livro tem um final instigante e que deixa o leitor querendo mais um pouco.

Daisy Jones & The Six foi uma história que me deixou bem atordoada e nostálgica. Foi bem intenso acompanhar as situações dos personagens, as drogas, bebidas e a tensão da Daisy com o Billy. Senti vontade de gritar com eles se amando e não poderem se tocar sabendo que o sentimento da Camila também estava em jogo. Eu realmente não sei o que dizer sobre esse livro no geral. Até agora estou tentando pensar, pois já mudei tanto de opinião sobre. Mas o lado bom que me envolvi completamente na história.

Se você gosta de um livro bem tenso e com uma narrativa com poucos detalhes. Aposte em Daisy Jones & The Six. Se você também curte música, bandas, coisas dos anos 70 também vale muito a leitura. Essa na verdade é uma história que mesmo eu não favoritando, eu indico para que todo mundo leia e tire suas próprias conclusões. Aproveite o momento e viva o Rock ‘n’ Roll.

LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO FILMES DE ANIMAÇÃO QUE TAMBÉM SÃO COMÉDIAS ROMÂNTICAS LIVROS SOBRE MITOLOGIA GREGA, ALÉM DE PERCY JACKSON LIVROS QUE LEMBRAM “TODOS MENOS VOCÊ” ONDE ASSISTIR OS INDICADOS AO OSCAR 2024? LANÇAMENTOS DA EDITORA ALT EM 2024 Livros que serão adaptados em 2024 Contos natalinos para você ler no Kindle Unlimited Willy Wonka: Conheça as versões do personagem Expansão “Aluga-se” do The sims 4: O que esperar? A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes: vale a pena ver? Se o personagem do seu filme favorito fosse uma animação da Pixar Livros de Edgar Allan Poe em A Queda da Casa de Usher Músicas que falam sobre términos Livros com jogadores de futebol americano para você ler Livros do Grupo Editorial Record para o Dia das Crianças Conheça Cyberpunk 2077: Nenhum acaso AMOR E LIVROS! ENTREVISTA EXCLUSIVA COM JENNA EVANS WELCH, AUTORA DE AMOR E GELATO