...

QuickSand

Atentados em escolas é um assunto que marca a história de vários países do mundo. No Brasil, teve em Suzano, em março deste ano, e em Realengo, em 2011.Nos Estados Unidos, porém, o número de incidentes acerca de massacres em escolas é sempre crescente. Infelizmente, o fenômeno é mais comum do que se imagina.

Por isso, a série sueca da Netflix, QuickSand, conta a história de Maja, envolvida em um caso desses e indiciada como parte do ataque.Maja (Hanna Ardéhn) é a típica aluna da classe média alta sueca, porém sua vida muda quando se envolve com Sebastian (Felix Sandman).  Ele, um multimilionário playboy, investe pesado na menina e os dois começam a namorar. Conforme o desenvolvimento da produção, o cavalheiro romântico se revela um vagabundo drogado que afunda a doce garota em seu mundo sem limites e frustrações.

A narrativa profunda e cheia de assuntos atuais:

QuickSand
Cena inicial de “QuickSand”

A narrativa se divide em presente e passado. Enquanto acompanhamos a investigação do atentado, conhecemos mais e mais sua história de Maja com “Seb”. Desde os primeiros passos do relacionamento até o aprofundamento de brigas que trazem feridas e cicatrizes no emocional de cada um dos envolvidos.

Sebastian vai conhecendo o sentimento de frustração ao longo desta jornada e, sem conseguir lidar com isso, traga para dentro de um universo obscuro sua amada. Mas o que os levou a realizar o tal atentado, cuja cena nos é descrita de forma pouco detalhada na abertura da série? Essa pergunta é o principal motivador do espectador, que segue os 6 episódios tentando desvendar as motivações pessoais de seus protagonistas.

A série trabalha com diversos elementos e assuntos urgentes para a sociedade atual. Desde frases xenófobas, principalmente com Samir (William Spetz) até o ambiente desmedido de drogas entre adolescentes. Sem esquecer que os sentimentos super-aflorados dos adolescentes que, por vezes, não sabem medir prós e contras e agem de maneira leviana para com tudo ao redor.

Seb é a maior expressão de toda essa lógica, concentrando em sua persona o jovem que acha que tudo pode, mas que não sabe lidar de forma alguma com as primeiras negações que a vida começa a lhe impor. É visto que os temas se justificam na vida do jovem, já que é rechaçado pela figura paterna, que só tem olhos para o irmão mais velho e orgulho do papai. Porém, isso não nos sentir qualquer empatia ou compaixão pelo personagem, já que ele é violento e só quer fazer o que deseja. Mesmo que tenha a Maya, é um sentimento de possessão do amoroso.

Sobre os protagonistas:

QuickSand
Maja (Hanna Ardéhn) e Sebastian (Felix Sandman) em “QuickSand”

Falando na protagonista, Hanna Ardéhn consegue passar ao público sentimentos perturbadores e de maneira verdadeira, como raiva e desespero. Porém, em alguns momentos, a personagem é muito fria, não tem interesse em se defender ou se culpar, devido a tudo o que sofreu. Enquanto que Felix Sandman conseguiu se destacar com seu personagem problemático e excêntrico.Interpretando com veracidade momentos pesados, onde aparece usando drogas, bebendo e sendo agredido.

A série já conseguiu se provar muito eficiente logo em sua cena de abertura. Um plano sequência passeia pelo momento do crime, sem nunca revelar a ação, apenas expondo os sangrentos resultados desta violência. Construindo a situação catalisadora da trama de forma controlada, ao invés de apelar para o choque imediato e para a representação irresponsável de tamanha tragédia.

A ideia por aqui, não é necessariamente justificar a trajetória de Maja e Sebastian. Nem tão pouco, dedica para contextualizar a tragédia. Ao invés disso, utiliza este evento perturbador para falar sobre tópicos ainda mais abrangentes e desconcertantes, facilmente reconhecíveis à qualquer ser humano. É  uma produção que fala sobre desamparo, e sobre a nossa incapacidade de amparar.

Conclusão:

“QuickSand” é uma produção da Netflix que resultou em uma experiência bem conflitante, mas quer questionar a frieza divisiva da nossa sociedade. Com direito à alguns diálogos abordando a polêmica de imigração que assola a Europa. No entanto, a série quer estudar as consequências dessa frieza, e se perguntar se somos capazes de ajudar o próximo.

Sem antes empurrar alguém para dentro do abismo, ou achar que o nosso lugar é, inevitavelmente, dentro dele. De quem é a culpa? Tribunal nenhum seria capaz de responder essa pergunta além da porta da cadeia. Deixem essa questão para quem, no momento do desamparo, olha para si mesmo, e consegue se enxergar.

QuickSand está disponível na Netflix! 

Bridgerton (3ª): O esperar da parte dois? Séries para você assistir no Dia das Mães As Melhores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos Filmes de terror para assistir em maio 2024 FANFICS QUE VIRARAM FILMES PRODUÇÕES SOBRE FÓRMULA 1 A verdade sobre Bebê Rena Rota literária: conheça o aplicativo para leitores Top Filmes com ex-RBD FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã! Filmes que são Dark Fantasy 6 livros da editora Intrínseca para o Dia Internacional da Mulher Histórias de Akira Toriyama Livros com o casal Grumpy x Sunshine FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO