Leia tudo sobre "Avatar: O Caminho da Água"

Confira tudo sobre o filme "Avatar: O Caminho da Água"

13 anos separam “Avatar: O Caminho da Água” do primeiro filme, que roubou os holofotes em 2009 graças a sua inovação tecnológica. É claro que muita coisa mudou nesse tempo, o que dá à continuação desafios que vão além de ser um “bom projeto”. Mas, será que James Cameron conseguiu se superar mais uma vez? A resposta mais simples e direta é que sim. A sequência, embora caia em certas armadilhas do primeiro filme, entrega uma viagem ainda mais imersiva e estonteante do que a de 2009. E vamos falar disso, agora:

Veja Também: Entenda por que Avatar 2 demorou tanto a ficar pronto

Valeu a pena esperar 13 anos?

Leia mais "Avatar: O Caminho da Água"

Em primeiro lugar, vamos responder a pergunta que todos devem estar fazendo agora. Afinal, essa demora para o lançamento da sequência acontece especialmente pela busca do diretor James Cameron em superar o que ele havia realizado com sucesso no primeiro filme. Especialmente, aprimorando a tecnologia aplicada na produção e, ainda, mais considerando a necessidade de levar a trama para as profundezas do mar. Com tudo isso, as expectativas eram altíssimas para “Avatar: O Caminho da Água” , que no final das contas apresenta um espetáculo visual deslumbrante e impressionante para o público nas telonas.

Espetáculo Visual:

Com toda a certeza, consegue apresentar um espetáculo visual ainda mais impressionante que o primeiro filme. Tudo com os novos aprimoramentos técnicos feitos pela produção de efeitos especiais e uma imersão em 3D que impacta o público ao embarcar pelas fronteiras deslumbrantes de Pandora. Levando em conta que a maior parte desta sequência é ambientada em regiões oceânicas do planeta, foi necessário um avanço tecnológico para as filmagens.

Isso contou, por exemplo, com uma colaboração e dedicação enorme dos atores, que precisaram gravar cenas debaixo d’água para aumentar o realismo na captura de movimento, além de realizar nada menos que treinamentos em técnicas de mergulho e respiração. Obviamente, todo esse cuidado com o trabalho é refletido nas telas, com uma riqueza de detalhes na criação de mundo, criaturas, cenários e até mesmo no aperfeiçoamento do visual dos personagens.

Laços familiares:

"Avatar: O Caminho da Água" fala sobre família

A princípio, o enredo da sequência não é tão inovador, mantendo em sua base o conflito entre os humanos colonizadores e os Na’vi que era a estrutura narrativa do primeiro filme. Mas o diferente, desta vez, é que Cameron parece ter aprendido com erros do passado: há mais compaixão na sequência do que no filme que deu início a essa jornada. Isso porque, se deixarmos a grandiosidade visual um pouquinho de lado, é fácil perceber que O Caminho da Água é uma história sobre família. Não somente aquela de sangue, mas também aqueles que escolhemos ao longo do caminho para nos acompanharmos durante a longa e inesperada jornada da vida.

É o laço entre Jake, Neytiri e seus filhos que nos aproxima de Pandora de um jeito diferente, e boa parte desse apelo vem da performance de seus atores, com Zoe Saldaña sendo o carro-chefe desse aspecto. Neste caso, Jake Sully quer, acima de tudo, proteger seus filhos, enquanto a RDA deseja se vingar de seu ex-soldado, com a necessidade de destruir tudo aquilo que ele construiu ao longo desses anos. Ou seja, as temáticas imperialistas de exploração militar e de ecologia permanecem, assim como o fortalecimento das relações familiares, fazendo o público se importar com cada um desses personagens.

Conclusão:

No final das contas, “Avatar: O Caminho da Água” é um espetáculo visual impressionante e imersivo que merece ser assistido nos cinemas. Mesmo que não inove em relação às ameaças militares que estavam presentes no primeiro filme, se destaca por levar o público nessa exploração de novas fronteiras, aos deslubrantes recifes de Pandora. Mais do que isso, a sequência trata sobre temáticas relevantes como a guerra imperialista e a união familiar de comunidades, lutando para sobreviver contra essas opressões.

FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO FILMES DE ANIMAÇÃO QUE TAMBÉM SÃO COMÉDIAS ROMÂNTICAS LIVROS SOBRE MITOLOGIA GREGA, ALÉM DE PERCY JACKSON LIVROS QUE LEMBRAM “TODOS MENOS VOCÊ” ONDE ASSISTIR OS INDICADOS AO OSCAR 2024? LANÇAMENTOS DA EDITORA ALT EM 2024 Livros que serão adaptados em 2024 Contos natalinos para você ler no Kindle Unlimited Willy Wonka: Conheça as versões do personagem Expansão “Aluga-se” do The sims 4: O que esperar? A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes: vale a pena ver? Se o personagem do seu filme favorito fosse uma animação da Pixar Livros de Edgar Allan Poe em A Queda da Casa de Usher Músicas que falam sobre términos Livros com jogadores de futebol americano para você ler Livros do Grupo Editorial Record para o Dia das Crianças Conheça Cyberpunk 2077: Nenhum acaso