Trazendo a obra de Agatha Christie para as telas, vamos ver se o filme “A Noite das Bruxas” fez jus ao misturar o mistério com terror. Aliás, Kenneth Branagh está de volta ao terno engomado, o bigode afiado e a deliciosa astúcia de Hercule Poirot. O ator estrela (e dirige), pela terceira vez, uma aventura do detetive das obras da autora. Por isso, confira nossa visão sobre “A Noite das Bruxas”:

Veja também- Agente Stone: Tentando não ser genérico, mas é…

Um breve contexto:

Baseada no livro de mesmo nome da mestra máxima do suspense, a trama traz Poirot curtindo a vida de aposentado na bela Veneza pós-Segunda Guerra. Mas, como todo castigo para detetive é pouco, a tranquilidade logo é interrompida pela intrépida escritora Ariadne Oliver (Tina Fey), que o convence a embarcar num novo mistério.

Poirot e Oliver frequentam uma sessão espírita num antigo palazzo da bela cidade italiana, no qual espera-se que uma médium (Michelle Yeoh). Ou seja, desmascarada pelo detetive, ou traga conforto à mãe e cuidadores de uma jovem morta no edifício. Tudo, claro, em pleno Halloween. O que nem Poirot esperava é que a reunião causaria mais uma fatalidade no local. Por isso, acaba forçando o investigador a arregaçar as mangas e mais uma vez pentear o bigode em busca de um assassino.

Misturando terror com investigação:

Veja a crítica do filme "A Noite das Bruxas"
Cena do filme “A Noite das Bruxas”

Se a premissa parece mais apropriada a um longa de terror e suspense do que uma história de detetive, é porque, de fato, A Noite das Bruxas não economiza nas investidas no gênero. Da direção, que usa e abusa de ângulos de câmera ora claustrofóbicos, até convenções comuns ao gênero, como os inevitáveis jump scares (os sustos que te fazem pular da cadeira e amaldiçoar a quinta geração do cineasta) e mais. Na verdade, o filme representa um bem-vindo exercício ao cineasta.

Por si só, esta embalagem pode transmitir a impressão de que, neste filme, a forma é mais importante do que o conteúdo, se não fosse por um detalhe redentor: o carisma inegável de Kenneth Branagh na pele do detetive. Algo que permite ao espectador a boa vontade de embarcar numa nova aventura sem queimar muitos neurônios. O astro encarna Poirot com o respeito e admiração merecidos, mas também uma dose saudável de cinismo.

E o elenco de “A Noite das Bruxas”?

Assim como em Assassinato no Expresso do Oriente (2017) e Morte no Nilo (2022), o ator e diretor é acompanhado por um time de estrelas. Embora levemente distante dos medalhões que já passaram pela franquia, para o bem e para o mal. Sempre competente, Tina Fey diverte como a cética Ariadne Oliver, braço direito de Poirot no novo mistério.

Com a bola altíssima em Hollywood, Michelle Yeoh deixa a própria marca no filme, ainda que de forma tímida. Já os coadjuvantes, incluindo Jamie Dornan, Kelly Reilly, Kyle Allen e mais, pouco se destacam além de serem instrumentos para quando o detetive precisa ou não de suspeitos ou pistas falsas.

Um enredo que envolve, mas não é perfeito:

Veja tudo sobre o filme "A Noite das Bruxas"
Hercule Poirot (Kenneth Branagh) em “A Noite das Bruxas”

De fato, este não é um longa que tenta reinventar a roda, mas sim entregar um mistério interessante e que prende a atenção do espectador por toda a sua duração. Ele não é particularmente um deleite aos olhos, não apresenta algum truque visual que o destaque, sendo bastante comum nesse aspecto. Não que isso seja ruim, mas boa parte do que segura o espectador é como a trama se desenvolve e os diálogos entre os personagens, algo que faz sentido em um filme desse gênero.

Mas, aqui, ironicamente, a sensação é que a escala menor do longa em relação aos anteriores permitiu um holofote ainda maior para o próprio Poirot, cujo domínio de cena, ao menos, compensa os deslizes de trama. Um olhar mais cético poderia achar que é uma certa viagem egocêntrica de Kenneth Branagh enquanto diretor e ator principal da trama. Mas não se pode contestar que Poirot é, não só o maior destaque de toda a narrativa, como o crime em questão torna-se mais interessante ao desafiar a fria racionalidade do investigador, do que como fato importante nas vidas dos demais personagens.

Vale a pena assistir “A Noite das Bruxas”?

No fim das contas, “A Noite das Bruxas” honra o imortal legado de Agatha Christie com um suspense divertido, que sabe das próprias ambições e limitações. Mas, nem por isso não se permite pequenos riscos. Onde estiver, a dama do mistério pode ficar aliviada, pois o bigode de Poirot segue em ótimas mãos. Além disso, a obra diverte e consegue ser bem honesto, que vale a pena ser assistido.

FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO FILMES DE ANIMAÇÃO QUE TAMBÉM SÃO COMÉDIAS ROMÂNTICAS LIVROS SOBRE MITOLOGIA GREGA, ALÉM DE PERCY JACKSON LIVROS QUE LEMBRAM “TODOS MENOS VOCÊ” ONDE ASSISTIR OS INDICADOS AO OSCAR 2024? LANÇAMENTOS DA EDITORA ALT EM 2024 Livros que serão adaptados em 2024 Contos natalinos para você ler no Kindle Unlimited Willy Wonka: Conheça as versões do personagem Expansão “Aluga-se” do The sims 4: O que esperar? A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes: vale a pena ver? Se o personagem do seu filme favorito fosse uma animação da Pixar Livros de Edgar Allan Poe em A Queda da Casa de Usher Músicas que falam sobre términos Livros com jogadores de futebol americano para você ler Livros do Grupo Editorial Record para o Dia das Crianças Conheça Cyberpunk 2077: Nenhum acaso