...
Veja tudo sobre "A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes"

Criada por Suzanne Collins, a saga “Jogos Vorazes” volta com “A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes” e vamos falar mais desse longa. Afinal, oito anos após o lançamento do último filme, a franquia se revigora e entrega aos espectadores uma nova história. Diante do retorno de Francis Lawrence na direção, a obra traz uma acréssimo para o enredo. Portanto, veja tudo sobre “A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes”:

Veja também- A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes: Tudo sobre o prelúdio de Jogos Vorazes

Contextualizando o público:

Em “A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes”, acompanhamos o jovem Coriolanus Snow (Tom Blyth), que tenta fazer a família voltar aos tempos de glória. A oportunidade surge ao se tornar um Mentor dos Jogos Vorazes, responsável por orientar a tributo do Distrito 12, Lucy Gray Baird (Rachel Zegler).

Além de mostrar como era o jovem que se tornou o temido Presidente Snow, o longa retrata como eram as primeiras edições dos Jogos Vorazes. Longe do glamour mostrado na franquia principal, a competição aqui é mais rústica e sem o uso de tornar os tributos em queridos. Tal realização é algo que acontece aos poucos ao longo do novo filme.

Leia também- Resenha: A Cantiga de Pássaros e Serpentes, de Suzanne Collins

O surgimento do futuro Presidente Snow:

Veja também mais sobre "A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes"

É um movimento ousado escolher expandir uma franquia de tanto sucesso justamente pela história de um dos maiores antagonistas. Mas, tanto livro quanto filme borram as linhas entre heróis e vilões, mostrando como os seres humanos, no geral, oscilam entre boas ações e momentos altamente questionáveis. No caso de Snow, há um acerto em não torná-lo herói em nenhum momento.

Mesmo quando o coloca como protagonista, o longa deixa claro que estamos diante de uma pessoa com índole controversa, capaz de tudo para alcançar seus objetivos. Neste sentido, Tom Blyth faz um ótimo trabalho, trazendo com veracidade todos os momentos de Snow. Mesmo questionando algumas decisões que levaram as consequências do protagonista, o ator trouxe bem as nuances e reflexões do personagem.

Quanto ao elenco do filme:

Não perca a crítica do filme "A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes"

Do outro lado, temos Lucy Gray Baird, uma tributo do Distrito 12 que tenta sobreviver em meio à um mundo cruel.  Rachel Zegler também entrega boa atuação, em contraponto com a de Blyth. Aliás, como vemos a história pelo ponto de vista dele, Lucy Gray é mostrada sempre como uma personagem enigmática, de quem sabemos pouco e podemos desconfiar a todo momento. Claro, grande parte disso é pelo olhar paranoico do jovem Snow, mas o filme acerta justamente ao passar tal sentimento de forma tão crível.

O elenco tem mais nomes que merecem ser citados, ainda que nenhum brilhe como os dois protagonistas. Hunter Schafer tem pouco tempo de tela como Tigris, prima de Snow, mas entrega uma atuação interessante. Peter Dinklage traz um personagem sem muito ânimo, mas ainda completa o enredo. Agora, dos coadjuvantes, quem mais se destaca é Viola Davis, como a sádica Dr. Volumnia Gaul. Com mais ligação com o personagem principal, ela é particularmente assustadora, da forma que só as pessoas da Capital de Jogos Vorazes conseguem ser.

Mas, tem o seus defeitos…

Um dos pontos negativos do filme é o equilíbrio entre duração e ritmo. Com quase 2h40, o longa faz jus ao nome “longa” e se torna cansativo, especialmente após a trama que mostra, de fato, como foi a 10ª edição dos Jogos Vorazes. Tal característica é sentida também no livro. Com 571 páginas, a publicação escolhe não terminar no clímax, e sim mostrar mais uma camada de Snow, que destoa do resto, embora seja importante para a construção do personagem. Ainda que tenha cortado bastante coisa da história original, algo comum em qualquer adaptação, o filme não consegue superar essa característica e é bem possível que muitos fãs terminem a sessão um tanto cansados.

Vale a pensa assistir “A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes”?

Apesar disso, também é possível terminar a sessão com uma sensação de que A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes é uma história que precisava ser contada. Mesmo que seja agridoce chegar ao final sabendo todas as atrocidades que ainda serão cometidas por Snow, há um sentimento de que, agora, conhecemos profundamente a natureza desse personagem e da própria origem dos Jogos Vorazes, da forma como foi mostrada na franquia principal. Não é agradável, mas totalmente necessário.

Jogos Vorazes: A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes está em cartaz nos cinemas.

Filmes de romance icônicos na MAX Filmes de romance com Glen Powell Lista com todos os filmes com Barry Keoghan Fantasias que são volume único Doze indicações da Intrínseca para o Dia do Orgulho Geek Séries para quem amou Maxton Hall Bridgerton (3ª): O esperar da parte dois? Séries para você assistir no Dia das Mães As Melhores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos Filmes de terror para assistir em maio 2024 FANFICS QUE VIRARAM FILMES PRODUÇÕES SOBRE FÓRMULA 1 A verdade sobre Bebê Rena Rota literária: conheça o aplicativo para leitores Top Filmes com ex-RBD FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã!