...

Parece que a Netflix gostou mesmo de produzir adaptações do mestre do terror, Stephen King. Depois de Jogo Perigoso, foi a vez do conto 1922 ganhar a sua versão da plataforma de streaming. Talvez essa seja uma homenagem ao escritor que completou 70 anos em setembro.

1922 conta a história de um fazendeiro que mata a esposa – isso não é spoiler – para não permitir a venda da fazenda. Afinal, naquela época era importante para um homem ter um terreno que gerasse lucro, e que depois da sua morte, seu filho, homem, herdasse para dar continuidade. Mas esse não parece nada com o futuro dos James. Depois de matar a esposa, Wilfred se vê cercado pelos seus medos e pela destruição da sua família. Tudo como resultado de suas ações impulsivas.

A história tem um enredo interessante, porém fácil de se imaginar o que irá acontecer. Diferente de Jogo Perigoso, que você assiste na loucura de saber o que vai acontecer, em 1922 você já sabe o que acontece e continua assistindo apenas para saber se algo irá mudar. Tenho que confessar que achei bem superficial e que acabou não me prendendo. Um filme que a ação aparece apenas no começo e depois tudo não passa de um grande drama de “não me arrependo de nada”, “me arrependo do que fiz”.

As sequências de cenas são bem casadas, o que deixa bem real a situação dos personagens. Outro ponto positivo é o suspense que o filme apresenta. Não pense que é terror, que você irá levar vários sustos. Os fantasmas estão lá, você já está vendo e prevê o que irá acontecer, mas o desenvolver da cena causa uma tensão e nervosismo em quem está assistindo, e é aí que o filme passa a ser interessante.

Mas, uma outra coisa incomoda no filme. Dessa vez não é enredo nem direção, é simplesmente a voz que Thomas Jane força para parecer de fazendeiro. É tão forçado que tem partes no filme que o próprio esquece do sotaque e fala normal. Ele parece que tem um ovo na boca e você não entende metade do que ele fala, fora aquele palitinho clássico de caipira na boca. Em contrapartida, Molly Parker está maravilhosa como defunta. Com poucas falas, é claro, ela consegue, mesmo sendo uma personagem morta, literalmente, transmitir toda sua raiva, seu sentimento e poder que ela adquire com aquela situação toda. O poder de perturbá-lo só de aparecer e não falar nada.

Imagem relacionada
Gif: gramunion.com

Ah, a história tem uma mensagem que tudo que fazemos, de ruim ou de bom, no final volta para nós. Que o carma existe e está esperando apenas uma brechinha para entrar em nossas vidas, que cada um escreve a sua história e é responsável pelos resultados que ela irá gerar. Uma mensagem bem reflexiva e que, o que faz o filme ser interessante, fica muito claro na adaptação, desde o momento em que Wilfred toma a decisão de matar e no final com o olhar penetrante para a tela.

No geral o filme, digamos, foi bom. Nem mais nem menos. Ótimo para assistir quando não se tem nada melhor, e perfeito para quem gosta de um suspense leve. Mas se você curte um filme que tem uma pegada mais agitada e com mais mistérios, corra desse filme, ele é apenas um desenrolar da vida de um fazendeiro que estraga tudo graças a ganância.

Séries para quem amou Maxton Hall Bridgerton (3ª): O esperar da parte dois? Séries para você assistir no Dia das Mães As Melhores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos Filmes de terror para assistir em maio 2024 FANFICS QUE VIRARAM FILMES PRODUÇÕES SOBRE FÓRMULA 1 A verdade sobre Bebê Rena Rota literária: conheça o aplicativo para leitores Top Filmes com ex-RBD FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã! Filmes que são Dark Fantasy 6 livros da editora Intrínseca para o Dia Internacional da Mulher Histórias de Akira Toriyama Livros com o casal Grumpy x Sunshine FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI