...

“Quem vive com noventa e dois quilos pode viver bem com noventa e seis. Essa é a minha teoria. Na verdade começou a ser depois de certo ponto. Principalmente se você considerar o fato de que levei quase dezoito anos para entender que ser gorda não fazia de mim uma pessoa menos bonita,
menos interessante ou menos capaz. O que me tornava tudo isso era o fato de eu aceitar ser diminuída por conta do meu peso, ser conivente com toda essa palhaçada.”

Nina é uma mulher bem sucedida profissionalmente, está em Buenos Aires desfrutando de férias e, como todo bom chiklit, se curando de um coração partido. O fato de Nina estar viajando sozinha, de cara já fez com que ela ganhasse minha simpatia, pude enxergar claramente uma mulher forte e decidida, que não teme mudanças e principalmente, que sabe o que quer e o que não quer da vida.

Nina nos apresenta Buenos Aires, seus pontos turísticos, sua culinária, e confesso que no início da leitura, achei meio exagerada a quantidade de referências e o deslumbre da protagonista, mas à medida que me afeiçoava a ela, fui me apaixonando pelos lugares e deu até uma vontade de conhecer. Quanto à culinária, acho que por ser gorda assim como a Nina, comecei a entendê-la, afinal, comer é um dos maiores prazeres da vida, não é mesmo?

Numa noite de tango, Nina conhece Nícolas, o Nico, um homem gentil e doce, extremamente respeitoso, o que a princípio é assustador para ela, mas ambos decidem se jogar o numa jornada de conhecimento e descobertas. O relacionamento vai se consolidando aos poucos, e Nina percebe que as coisas estão um pouco fora de controle, mas nem sempre isso caracteriza algo ruim.

Os protagonistas são realmente apaixonantes, mas os personagens secundários acabam por tornar a história ainda mais especial. Marcela, melhor amiga de Nina, e Noah, irmão de Nico, são o tipo de pessoa que você quer manter por perto e que assim que aparecem, você passa a torcer para que suas histórias sejam felizes. Os quatro passam por poucas e boas ao longo do caminho, segredos são revelados, máscaras caem, intrigas são desmascaradas, verdades são ditas, bem estilo novela mexicana, mas tudo é conduzido de forma tão envolvente e na dosagem certa , que foi impossível não derramar lágrimas durante a leitura.

Poder Extra G é um livro altamente empoderador, mas que também transmite grandes lições de amor, amizade, resistência, companheirismo e, o que eu não esperava, uma lição de que vínculos são construídos, e isso não depende de laços sanguíneos.

O livro é nacional, o que me deixou ainda mais feliz, merece muito ser apreciado e trata de assuntos que a nossa sociedade precisa mesmo discutir. Recomento muito a leitura e minha nota para ele é 8.

Bridgerton (3ª): O esperar da parte dois? Séries para você assistir no Dia das Mães As Melhores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos Filmes de terror para assistir em maio 2024 FANFICS QUE VIRARAM FILMES PRODUÇÕES SOBRE FÓRMULA 1 A verdade sobre Bebê Rena Rota literária: conheça o aplicativo para leitores Top Filmes com ex-RBD FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã! Filmes que são Dark Fantasy 6 livros da editora Intrínseca para o Dia Internacional da Mulher Histórias de Akira Toriyama Livros com o casal Grumpy x Sunshine FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO