Não é difícil se envolver nas narrativas de Colleen Hoover, mas Métrica foi algo de outro mundo. Uma história que ao mesmo tempo que é cheia de emoção, também é uma das mais leves e sutis da autora. Vem conhecer Lake e Will.

Uma história sobre luto e poesia

Após a morte do pai, a ausência torna-se a maior companheira de Lake. A responsabilidade pela mãe e pelo irmão caçula a congelam num limbo de luto e dor. Por fora, ela parece corajosa e tenaz; por dentro, está perdendo as esperanças. E se mudar do único lar que conheceu não ajuda em nada.

Agora em uma nova casa, em uma nova cidade, ela precisa achar seu caminho. E um rapaz apaixonado por poesia pode ser o guia perfeito. Quando conhece o novo vizinho, Layken imediatamente sente uma intensa conexão. Algo que finalmente parece desanuviar um pouco sua realidade.

Mas o caminho da verdadeira felicidade não é feito de tijolos dourados, e logo uma revelação atordoante faz o novo relacionamento ser bruscamente interrompido. O dia a dia vai se tornando cada vez mais doloroso à medida que eles se esforçam para encontrar um equilíbrio entre os sentimentos que os aproximam e as forças que os separam.

Layken e Will precisam decidir se o amor é mesmo a maior das recompensas. E se estão dispostos a tudo para vivê-lo. Até mesmo magoar um ao outro. Na poesia dos dois, talvez a estrofe perfeita seja solitária e ímpar. E amor rime com dor.

A Métrica do amor

Já li muitos livros de Colleen Hoover, desde os mais antigos até os mais recentes e posso falar com tranquilidade que, da minha parte, Métrica foi o mais leve que já li. Mesmo com alguns gatilhos, a autora consegue abordar o tema luto e solidão de forma sutil e responsável.

Lake é jovem e certas horas ela irrita, mas é totalmente compreensível pois ela está vivendo as fases do luto. Na primeira parte temos uma Lake mais rebelde, irritada, cheia de raiva da vida. Essa Lake é bem insuportável e várias vezes me fez sentir raiva dela. Contudo, ao passar dos capítulos a história ganha um novo rumo e comecei olhar diferente para a protagonista, com mais cuidado. Ela é apenas uma jovem cheia de inseguranças.

Will por sua vez é um personagem cheio de camadas, de segredos e realista. Ao entender que ele teve que abdicar da fase jovem  para cuidar do irmão caçula criei uma empatia pelo persomagem. A paixão dele por poesia é algo muito bonito. Confesso que em algumas partes era difícil colocá-lo  como uma figura mais séria que os outros jovens, mas Will é aquele personagem que te conquista fácil.

Personagens secundários maravilhosos

Eu sempre sou arrebatada pelos personagens secundários da Colleen e em Métrica não foi diferente. Mesmo eles não tendo tanto desenvolvimentos, ainda assim eles dão um toque de sutileza na história tão deprimente de Lake e Will.

Eddie é aquela amiga que está pronta para oferecer o ombro quando Lake precisa. Além disso, é simpática e uma excelente cúmplice. Posso dizer que ela era o sol na vida nublada de Lake.

Entretanto, o maior destaque vai para as crianças. Caulder e Kel fora, a grande válvula de escape da livro. Eles tornaram tudo leve e divertido. Foram o ponto crucial para no meio de tanta solidão ter algum momento de paz. Eu amei muito os dois e sem dúvidas fizeram muita diferença na história.

Conclusão

Métrica é o primeiro livro da trilogia slammed e mais um dos vários livros de Collen Hoover que aborda temas sensíveis. É uma história emocionante que fala do luto, da solidão, mas que ao mesmo tempo amadurece e mostra para os personagens que nem tudo é só tristeza.

É um livro com gatilho de doença, morte, e quem não se sente bem com assunto câncer, acho melhor evitar. Porém quem quer ler algo da autora é não sair traumatizado, esse livro é ideal. Sem dúvidas você também vai se apaixonar por Will e Lake.

O que é slam?

Um dos cenários da história é a competição de slam. No livro, a autora explica bem o que porém, é sempre bom trazer esses fatos para nossa realidade do Brasil.

O slam é caracterizado pela declamação de versos em espaços públicos, inspirados pelo rap, sintonizados com a vida nas periferias e experimentados coletivamente. Em geral, a batalha segue algumas regras: o poeta tem 3 minutos para declamar seu texto, utilizando apenas o corpo e a própria voz, sem acompanhamentos musicais.

Poetry Slam, ou apenas slam, chegou no Brasil em 2008 por intermédio da artista Roberta Estrela D’Alva. Hoje, o movimento se espalhou pelo Brasil e, a estimativa geral é que existem mais de 150 comunidades de Slam no país todo. As mais conhecidas são: Slam da Guilhermina (SP), Slam das minas (RJ), Slam Falatu (DF) e outras ao redor do Brasil.

FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO FILMES DE ANIMAÇÃO QUE TAMBÉM SÃO COMÉDIAS ROMÂNTICAS LIVROS SOBRE MITOLOGIA GREGA, ALÉM DE PERCY JACKSON LIVROS QUE LEMBRAM “TODOS MENOS VOCÊ” ONDE ASSISTIR OS INDICADOS AO OSCAR 2024? LANÇAMENTOS DA EDITORA ALT EM 2024 Livros que serão adaptados em 2024 Contos natalinos para você ler no Kindle Unlimited Willy Wonka: Conheça as versões do personagem Expansão “Aluga-se” do The sims 4: O que esperar? A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes: vale a pena ver? Se o personagem do seu filme favorito fosse uma animação da Pixar Livros de Edgar Allan Poe em A Queda da Casa de Usher Músicas que falam sobre términos Livros com jogadores de futebol americano para você ler Livros do Grupo Editorial Record para o Dia das Crianças Conheça Cyberpunk 2077: Nenhum acaso