...

Tão difícil é falar sobre um livro que te deixa com tantas impressões, sejam elas positivas ou negativas. É complicado saber por onde começar e o que debater sobre ele, principalmente quando trata de diversos assuntos tão polêmicos. O pior de tudo é quando até agora, depois de dias de leitura, o livro ainda te deixa pensando sobre todo o seu desenrolar. E é exatamente o que A Viúva, da jornalista britânica Fiona Barton, faz com a mente dos leitores.

Publicado pela editora Intrínseca no Brasil, o livro narra a vida de Jean, que depois da morte acidental do marido se vê pronta, ou quase, para revelar o grande segredo do falecido. Segredo esse que condenou a vida do casal e de várias outras pessoas. Pressionada pela imprensa, Jean faz seu espetáculo para revelar quem realmente era o seu marido, como era a relação do casal e como ela o via. Mas até que ponto ela estará dizendo a verdade? Afinal, já mentiu tantas outras vezes.

A Viúva tem um Q de narrativa de um suspense policial, com um toque à lá jornalistico documentário. Logo de cara conseguimos identificar a autora na personagem da jornalista, que em boa parte da história, principalmente quando chega perto da resolução do caso, vai guiando a mente do leitor pela narrativa.

” Todos foram muito gentis e tentaram me impedir de ver o corpo dele, e eu não podia lhes dizer que estava contente por ele ter partido. Eu havia me livrado de seus absurdos.”

O livro começa no presente, narrando a pós morte do marido e como a viúva está reagindo ao acontecimento. No início temos um impressão bem embaçada do que a história quer nos apresentar, qual será o assunto abordado e a temática do livro, digamos assim. Mas não demora muito e a autora começa as viagens no passado e no presente para contextualizar os fatos. Mas o problema encontra-se no exagero dos devaneios dos personagens a cada página lida. Muitos desses pensamentos avoados durante as cenas poderiam muito bem ser desenvolvidos com mais atenção, carinho e amor. Algumas situações que seriam bem interessantes para nos aprofundarmos no contexto e cenário da história.

Porém, mesmo com esses incômodos iniciais, quando chegamos na metade para o final começamos a ver uma luz no fim do túnel. O livro muda completamente a cara, principalmente a narrativa. E isso acontece quando a autora resolve encaminhar o desfecho da história. Parece que temos outro livro ali e você simplesmente não consegue mais largar, quer logo chegar ao final e saber o que aconteceu.

Fiona consegue fazer uma evolução de alguns personagens, como por exemplo a viúva e a mãe da pequena Bella, pois ao longo da história coisas que não imaginamos sobre as duas vão surgindo e revelando quem elas são. Nada muito sério, mas você percebe que nem todo mundo é o que parece logo de cara, e que todos têm seus segredinhos que não querem revelar. Em contra partida, temos os personagens relacionados a polícia, que deixam muito a desejar. A impressão que passa é que a autora preferiu taxá-los de bobos e que deduzem a maioria dos seus caos. É difícil dizer sobre isso, mas incomoda bastante ver algumas coisas que estão na cara e os personagens policiais simplesmente ignoram porque simpatizaram com a pessoa, por exemplo.

O livro apresenta muitos momentos que deixam o leitor um pouco confuso e perdido na ideia. Um deles é o fato do contexto e suas ideias não fazerem muito sentido, principalmente a indecisão da autora em narrar em primeira ou terceira pessoa. Fora isso, muitos furos acabam irritando qualquer um. Porém, mesmo com esses pontos negativos, é uma leitura envolvente que chama o leitor a se revoltar junto com os personagens. Quer algo melhor que isso?

A viúva de Fiona Barton

Mesmo com a morte do marido, a trama é toda desenvolvida a partir do desaparecimento da bebê Bella, que sumiu misteriosamente do quintal da casa há tantos anos e até hoje ninguém sabe quem é o real culpado e o motivo para tal ato. E com essa questão a autora vai desenvolvendo uma rede de pedofilia e narrando fatos que são possíveis de acontecer. Além disso, ela mostrar o lado doentio das pessoas que buscam esse tipo de coisa. São poucas as cenas que mostram que realmente é algo pedófilo e descarado, mas quando tem, é algo que dá vontade de vomitar, chorar, tacar o livro longe. As cenas tão bem escritas que te deixam refletindo sobre o assunto.

Uma das coisas que odiei no livro foi ter amado como a Fiona construiu a cena da revelação do caso. Não necessariamente a cena final, mas a cena que tudo aconteceu com a Bella. Ela colocou de forma tão singela algo tão nojento, mas ao mesmo tempo mostrou o que realmente aconteceu, sem precisar ser escrachada e esfregar na cara do leitor um abuso sexual. Foi simples e, de certa forma, eu sinto que ela preservou a memória da pequena Bella. Uma das partes que chorei feito neném.

No geral o livro tem seus altos e baixos, mas tem uma conclusão coerente ao que foi do início ao fim. Talvez não seja A reviravolta, mas o desenrolar das sequencias é muito bem escrito. A reviravolta que temos é na forma como a autora nos apresenta os fatos, o que dá um gás para a leitura no final. Talvez não seja o melhor livro de Thriller psicológico, mas também é uma história que não se pode deixar de lado, principalmente por tratar de assuntos tão delicados e que ainda hoje não têm muito destaque, principalmente nas nossas políticas.
Bridgerton (3ª): O esperar da parte dois? Séries para você assistir no Dia das Mães As Melhores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos Filmes de terror para assistir em maio 2024 FANFICS QUE VIRARAM FILMES PRODUÇÕES SOBRE FÓRMULA 1 A verdade sobre Bebê Rena Rota literária: conheça o aplicativo para leitores Top Filmes com ex-RBD FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã! Filmes que são Dark Fantasy 6 livros da editora Intrínseca para o Dia Internacional da Mulher Histórias de Akira Toriyama Livros com o casal Grumpy x Sunshine FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO