Veja tudo sobre "Peter Pan & Wendy"

Em sua onda infinita de live-actions, a Disney+ lança “Peter Pan & Wendy”, a nova versão da história do menino que não queria crescer. Mas, a mais recente produção traz, ainda que de maneira tímida, a fé, confiança e magia da obra anterior e alinha sua narrativa para os tempos atuais. Portanto, vamos falar mais de “Peter Pan & Wendy”:

Veja também: Confira os filmes mais esperados em 2023

Enredo:

Na nova dinâmica, Wendy (Ever Anderson) se recusa ir para o colégio interno e prefere as aventuras imaginárias de Peter Pan e Capitão Gancho ao lado dos seus irmãos João (Joshua Pickering) e Miguel (Jacobi Jupe). A vida deles é interrompida uma noite quando a fantasia dos irmãos se torna realidade e o próprio Menino que Nunca Cresce (Alexander Molony), acompanhado de Tinker Bell (Yara Shahidi), aparece em carne, osso e pó mágico. Wendy e seus irmãos são levados então à Terra do Nunca, onde Capitão Gancho (Jude Law)e seus piratas são, assim como Peter Pan e os Meninos Perdidos, também versões vivas das fantasias imaginadas pelas crianças.

Mudar tanto foi necessário?

“Peter Pan & Wendy” reconta a mesma história originária que marcou a animação de 1953, com o visual, o cenário e até o humor inocente são replicados na nova versão live-action. O problema é que o longa apenas emula esses elementos sem realmente absorvê-los por completo e falta o charme de reinvenções que contextualizam, assim como várias produções fizeram. Isso é nítido com a escolha da paleta de cores, marcada por tons mais escuros e terrosos. A animação original veio de um período que ficou marcado por desenhos com tons mais suaves de cor, passava a ideia de algo mais leve e mágico. Principalmente, após a conturbada Segunda Guerra Mundial.

Enquanto esta poderia ser uma oportunidade de reforçar essa característica, o diretor, David Lowery, opta por uma paleta ainda mais contida. Ou seja, a falta de contraste vista nos trailers permanece no filme, e acaba sendo mais um lançamento nos streamings que exigirá da televisão do espectador seu brilho calibrado no máximo.

Mas e os atores?

Veja tudo sobre "Peter Pan & Wendy"

A nova versão traz atores poucos conhecidos para papéis principais e lhes dá a oportunidade de mostrar um talento promissor. Ever Anderson se sobressai em cena, mas não é capaz de sustentar o enredo inteiro. Quando João e Miguel são capturados por piratas, Wendy se junta aos Meninos Perdidos para encontrar Peter Pan e salvar seus irmãos. Mas, a dinâmica da jovem com o grupo é superficial, criando uma sensação de buraco que só é preenchido quando o grupo inteiro se une. Aliás, os dois irmãos mais novos ficam jogados na história, cumprindo apenas o recurso de resgate para o amadurecimento de Wendy.

Já a Tinker Bell de Shahidi é deixada de escanteio. Com pouco tempo de tela e frases curtas, fica difícil entender o propósito da personagem nesta nova adaptação. Esta questão faz parte do esforço de modernização da história: tirar da trama o interesse amoroso por Peter, que desencadeia o ciúme e a rivalidade entre a fadinha e Wendy, é até uma questão de empoderamento. Porém, ao não colocar nada no lugar, essa decisão da Disney tira da personagem uma motivação sem lhe entregar outra. Com isso, a fada se torna apenas uma ferramenta de roteiro.

Alexander Malony faz um Peter comedido e sisudo sobre a escolha de ser uma eterna criança, mas entrega boas cenas ao lado de Gancho, que se sente muito à vontade para fazer o vilão cativante. Outro destaque vai para Alyssa Wapanatâhkcomo Tigrinha, uma personagem mais madura e fundamental para o enredo que corrige a representatividade dos povos indígenas no novo longa.

Os erros são corrigidos?

Confira nossa visão sobre o filme "Peter Pan & Wendy"

Esse é outro desafio para David Lowery e o roteirista Toby Halbrooks: trazer uma releitura atualizada do conto para o público. Assim como em live-action anteriores, a Disney consegue reformular suas histórias de maneira razoável. Sempre eliminando os tópicos controversos e adicionando tramas e subtramas mais elaboradas. Por exemplo, é retirada a imagem de mãe/par romântico de Wendy para uma postura de irmã mais velha dos garotos e de Peter, uma posição mais adequada para sua jornada. Já Gancho também ganha um novo pretexto para justificar sua rivalidade contra o garoto mágico.

Conclusão:

“Peter Pan & Wendy” atualiza a história original colocando a prioridade em questões culturais e de correção política. Ao mesmo tempo em que luta para preservar a nostalgia que pode haver em relação à memória da animação de 1953. Nesse sentido, este novo remake com atores da linha de produção da Disney parece um produto típico do seu tempo, e não apenas pelas cores desbotadas e sem contraste.

FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO FILMES DE ANIMAÇÃO QUE TAMBÉM SÃO COMÉDIAS ROMÂNTICAS LIVROS SOBRE MITOLOGIA GREGA, ALÉM DE PERCY JACKSON LIVROS QUE LEMBRAM “TODOS MENOS VOCÊ” ONDE ASSISTIR OS INDICADOS AO OSCAR 2024? LANÇAMENTOS DA EDITORA ALT EM 2024 Livros que serão adaptados em 2024 Contos natalinos para você ler no Kindle Unlimited Willy Wonka: Conheça as versões do personagem Expansão “Aluga-se” do The sims 4: O que esperar? A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes: vale a pena ver? Se o personagem do seu filme favorito fosse uma animação da Pixar Livros de Edgar Allan Poe em A Queda da Casa de Usher Músicas que falam sobre términos Livros com jogadores de futebol americano para você ler Livros do Grupo Editorial Record para o Dia das Crianças Conheça Cyberpunk 2077: Nenhum acaso