...

Eu escolhi o curso de jornalismo na época do pré-vestibular, no qual eu poderia compartilhar informações com o público e escrever tudo o que acredito e amo. Sendo sincera, ser uma jornalista não é tão simples quanto parece.

De acordo com o Censo, 64% dos estudantes de jornalismo são compostas por mulheres, sendo que 63% são formadas e profissionais na área, mas, mesmo com essa porcentagem, as jornalistas não são valorizadas da forma que merecem. As desigualdades de gênero no jornalismo brasileiro são cada vez mais conhecidas e têm sido denunciadas por profissionais e acadêmicas da área. Apesar disso, as jornalistas ainda não romperam o “teto de vidro” da profissão, já que elas recebem cerca de 19% a menos do que seus colegas homens e a maioria dos empregadores da área (62%) são do gênero masculino. Infelizmente, ainda não há uma presença forte das mulheres nos conselhos editoriais e nos cargos de editor-chefe, permanecendo nos níveis de gerência média. De acordo com estudo do Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (GEMAA-UERJ), elas representam menos de 28% dos colunistas de jornais como O Globo, Folha e Estadão. Se consideramos gênero e raça conjuntamente, o quadro é ainda mais dramático e a sub-representação das mulheres negras é muito aguda.

As desigualdades se manifestam no próprio conteúdo das notícias. Segundo o Global Media Monitoring Project de 2015, a cobertura jornalística na América Latina é fundamentalmente centrada nos homens e as mulheres são muito mais frequentemente alocadas em notícias relacionadas à família, beleza e cosméticos do que à economia ou política. Quando protagonizam as notícias, é comum que as mulheres sejam valorizadas por seus atributos emocionais e físicos no lugar de suas qualidades intelectuais e opiniões. A violência doméstica, sexual e o feminicídio, por sua vez, são alvos de sensacionalismo e banalização, o que colabora ativamente para o ciclo de vitimização das mulheres latino-americanas.

Existem tantas profissionais que sabem falar a respeito de futebol ou de política que são discriminadas pelo simples fato de serem mulheres, e as pessoas acham que elas não sabem falar nada a não ser as características citadas. Muitas ainda sofrem na Redação ou nos canais, no qual seus trabalhos são ocultados e/ ou apropriados por homens, conforme esteriótipos de gênero.

Ser jornalista, não é ser bela, é saber a responsabilidade de lidar com uma matéria e com informações, transmitindo qualidade e verdade ao público. Ser jornalista não é apenas saber falar bem, é pesquisar e adquirir as informações necessárias. Ser jornalista é estar numa guerra contra o mundo e a desigualdade, no qual podemos vencer qualquer coisa.

Bridgerton (3ª): O esperar da parte dois? Séries para você assistir no Dia das Mães As Melhores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos Filmes de terror para assistir em maio 2024 FANFICS QUE VIRARAM FILMES PRODUÇÕES SOBRE FÓRMULA 1 A verdade sobre Bebê Rena Rota literária: conheça o aplicativo para leitores Top Filmes com ex-RBD FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã! Filmes que são Dark Fantasy 6 livros da editora Intrínseca para o Dia Internacional da Mulher Histórias de Akira Toriyama Livros com o casal Grumpy x Sunshine FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO