...

Quatro famílias, todas elas diferentes entre si, porém ligadas de alguma forma. Todo mundo é suspeito, todo mundo está com os nervos à flor da pele e todo mundo tem algum segredo. Depois do desaparecimento misterioso de dois jovens, a pacata cidadezinha de Winden, na Alemanha, ganha outro cenário. Com a premissa de um suicídio, dois desaparecidos e várias mortes misteriosas, a nova série da Netflix, e a primeira produção alemã, traz um ar sombrio, e às vezes até melancólico, para uma versão mais madura de Stranger Things.

Produzida por Baran bo Odar, Dark é uma grande brincadeira com a teria do espaço tempo e o buraco negro. Nessa primeira temporada surgem diversas teorias sobre a viagem no tempo. O ano de início é 2019, mas não ache que ficará nele para sempre, você irá explorar anos como 1953 e 1986. Ou seja, você irá saltar bastante no tempo.

O primeiro episódio cumpre bem o papel de apresentação da série, tem boa introdução aos personagens e suspense na medida certa, o que facilita o entendimento durante a série, pois enquanto não nos acostumamos com a quantidade de idas e vindas no tempo, acabamos ficando um pouco perdidos. Sobre os mistérios que envolvem o cenário, eles não se arrastam até o final, no meio da temporada já é possível descobrir se sua teoria estava certa ou errada, bem objetivo.

Quanto aos personagens, não é possível dizer que seja uma série feita para apegar-se a eles, talvez você goste de alguns em uma época, mas não curta eles em outras. A química entre o elenco jovem também é algo que não agrada é fica forçado. Não que o cast adulto seja o melhor, porém é mais interessante.

Outra coisa que chama a atenção é a trilha sonora, ela é bem diferente dos tradicionais filmes do gênero. Ok que nada é perfeito e existem pequenos erros de corte entre as cenas e a música, e às vezes isso pode interferir no calor do momento.

A série também é bem dividida entre os diálogos. O foco não são as conversas entre as pessoas e sim com o que está acontecendo ao redor. E são esses espaços de silêncios que você tem para digerir o que acabou de acontecer e formular as suas teorias.

O final desta primeira temporada corresponde bem o desenvolvimento da série. Responde as perguntas básicas e deixa em aberto novos mistérios. E é aqui que surge a súplica para logo a Netflix anunciar uma renovação.

“Buracos negros são considerados a boca do inferno do Universo. Quem cair dentro de um, desaparece. Para sempre.”

Não assista achando que irá levar vários sustos ou sentir medo, pois não é esse o objetivo de DARK. Sem dúvidas foi uma das melhores séries que assisti esse ano, tudo nela parece se conectar e encaixar perfeitamente e, mesmo com pequenas falhas de edições e direção, a história tem um grande potencial de crescimento, pois o enredo é interessante e diferente do que temos hoje no mercado.

Não é uma serie fantástica, mas é muito inteligente!

Séries para quem amou Maxton Hall Bridgerton (3ª): O esperar da parte dois? Séries para você assistir no Dia das Mães As Melhores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos Filmes de terror para assistir em maio 2024 FANFICS QUE VIRARAM FILMES PRODUÇÕES SOBRE FÓRMULA 1 A verdade sobre Bebê Rena Rota literária: conheça o aplicativo para leitores Top Filmes com ex-RBD FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã! Filmes que são Dark Fantasy 6 livros da editora Intrínseca para o Dia Internacional da Mulher Histórias de Akira Toriyama Livros com o casal Grumpy x Sunshine FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI