...
Veja mais sobre "O Menino que Matou meus Pais" e "A Menina que Matou os Pais"

"O Menino que Matou meus Pais" e "A Menina que Matou os Pais"

“O Menino que Matou meus Pais” e “A Menina que Matou os Pais” são filmes que mostram duas versões de um mesmo crime pela ótica dos autores. Suzane von Richthofen e Daniel Cravinhos foram condenados a mais de 30 anos de cadeia pela morte dos pais dela, Marísia e Manfred von Richthofen. Dessa forma, a obra baseada em fatos reais foi produzida a partir de depoimentos e das informações que constam nos autos do processo. Incluindo que apresenta os pontos de vista diferentes do casal de criminosos. E vamos analisar se “O Menino que Matou meus Pais” e “A Menina que Matou os Pais” realmente acertou:

Não esqueça de verificar: Entenda o filme “O Menino que Matou meus Pais” e “A Menina que Matou os Pais”

Versões diferentes, mas que se complementam:

Confira a crítica de "O Menino que Matou meus Pais" e "A Menina que Matou os Pais"
Ambos os filmes foram construídos de forma a se espelharem.

“A Menina que Matou os Pais” é totalmente focado na versão de Daniel Cravinhos. Nesse caso, a obra possui mais problemas narrativos do que “O Menino que Matou meus Pais”. A proposta ousada, e que raramente é vista no cinema, sofre com a repetição de diversas cenas da obra anterior. Além disso, possui um número gigantesco de buracos no seu roteiro. Afinal, estamos vendo o ponto de vista de Cravinho e ele se completa ou se contradiz com o apresentado por Suzane.

Construídos de forma a se espelharem, A Menina e O Menino partilham da mesma cena de abertura. Ou seja, uma recriação da descoberta dos corpos de Marísia e Manfred pela Polícia Militar de São Paulo, em 2002. Diante disso, vamos para 2006, e vemos o depoimento de Daniel (Leonardo Bittencourt) e de Suzane (Carla Diaz). Uma característica comum entre os relatos é a manipulação, mesmo com formas diferentes. Na narrativa dele, ela é a garota rica com traumas que encontrou nele refúgio, usando-o para colocar em prática antigas fantasias fatais. Enquanto que na versão dela, ele era o garoto pobre, próximo de uma realidade de crime perigosa, que tornou-se namorado abusivo e a conduziu a matar sua rica família por ganância.

Afinal, funciona?!

Saiba mais do lançamento, "O Menino que Matou meus Pais" e "A Menina que Matou os Pais"
O relacionamento de Suzane e Daniel é explorado em camadas

A química entre Carla Diaz e Leonardo Bittencourt  é ótima, mas aqui a relação entre eles é mais densa e tem camadas mais interessantes, já que ambos são apresentados como conscientes de suas escolhas. Diaz rouba as cenas e constrói uma versão muito mais sombria e intensa de Suzane. Porém, a direção de Maurício Eça perde diversas oportunidades de confirmar que Daniel se perdeu nas ficções criadas por Suzane. Afinal, essa versão quer mostrar que Daniel salvou a moça de pais cruéis ou que ele foi levado a crer nisso por uma pessoa que o manipulou?

Além disso, o projeto é um exemplar legítimo de true crime, gênero popular em cinematografias ao redor do mundo que dramatiza crimes notórios. Com a ficção preenchendo as lacunas que conectam o factual. Mesmo que trabalhando com um caso de tamanha repercussão, Eça não usa seus filmes para tomar partido, e sim expor os dois lados. Dessa forma, a conclusão fica nas mãos do público. Porém, com a falta de detalhes no relato de Daniel, fica um pouco confuso. Entretanto, não estraga a experiência.

Conclusão:

Entretanto, entre erros e acertos, fica clara a paixão pelo projeto, filmado em apenas 33 dias em processo intensivo. Ainda assim marcado por uma fotografia bonita e um interessante comentário sobre o embate entre classes sociais distintas, ainda que subaproveitado.  A Menina que Matou os Pais é um complemento de O Menino que Matou meus Pais, mas acaba em alguns momentos atrapalhando a narrativa sobre o crime que chocou o Brasil. Sendo que também na proposta de humanizar o homem que matou os pais de sua namorada. Por outro lado, vemos muito bem como a manipulação pode influenciar um evento completo.

“O Menino que Matou meus Pais” e “A Menina que Matou os Pais” estão disponíveis no Prime Video:

Filmes de romance icônicos na MAX Filmes de romance com Glen Powell Lista com todos os filmes com Barry Keoghan Fantasias que são volume único Doze indicações da Intrínseca para o Dia do Orgulho Geek Séries para quem amou Maxton Hall Bridgerton (3ª): O esperar da parte dois? Séries para você assistir no Dia das Mães As Melhores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos Filmes de terror para assistir em maio 2024 FANFICS QUE VIRARAM FILMES PRODUÇÕES SOBRE FÓRMULA 1 A verdade sobre Bebê Rena Rota literária: conheça o aplicativo para leitores Top Filmes com ex-RBD FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã!