Diante de um novo capítulo da MCU, “Thor: Amor e Trovão” traz um filme que foge das tradições dos super-heróis e, quando se fala de estética, vilão e heroína, o novo filme de Taika Waititi só acerta.

Assim como em “Ragnarok”, o grande acerto de é ter a confiança de que uma história não precisa se levar muito a sério para ser boa, poderosa ou até complexa. O novo filme do herói é de um humor bobo, cafona e inocente que não dá trégua. Mas debaixo da fachada malandra, existe uma delicada jornada de cura de personagens em profundo sofrimento. Vamos ver mais a respeito.

Reencontrando Thor:

A trama começa acelerada, com uma missão dos Guardiões da Galáxia, em que Thor esbarra no rastro de morte de um vilão determinado a pôr um fim a todos os deuses. E para impedi-lo, ele precisa da ajuda de Korg, a Rei Valquíria e Jane Foster, que também enfrenta uma terrível batalha pessoal. Nessas batalhas pessoais, presentes em quase todos os personagens, que o roteiro prospera. Assim como antecessor, é mais um longa que tenta entender a verdadeira essência do herói. Entre uma rápida sucessão de piadas, dos mais variados tipos, existe uma delicada história sobre um homem procurando sentido na vida.

E essa busca é o fio condutor que conecta todas as subtramas em algo único. Afinal, Jane Foster (Natalie Portman) quanto o vilão Gorr (Christian Bale) também estão procurando um propósito depois de chegarem ao fundo do poço. Mas enquanto o Carniceiro dos Deuses enfrenta suas emoções espalhando escuridão pelo universo, os Deuses do Trovão procuram ter uma atitude mais positiva, cheia de cor.

Subtramas incompletas:

O modo como a Poderosa Thor funciona como o perfeito oposto de Gorr só mostra como Waititi entendeu bem a essência dos quadrinhos. O filme usa como base duas histórias geniais de Jason Aaron — Carniceiro dos Deuses (2012) e A Poderosa Thor (2014). Infelizmente, elas acabam competindo por atenção o tempo todo, deixando um sentimento de incompletude. Não há uma história completa do Gorr e nem da Poderosa Thor, são como metades. Mas são metades que se complementam, através das atuações incríveis de Bale e Portman.

+ Leia também: FILMES MAIS ESPERADOS PARA O 2° SEMESTRE DE 2022

Christian Bale, como sempre, não decepciona. Ele tem uma presença de outro planeta, falando e se movimentando como uma serenidade perturbadora. Uma criatura das sombras, Gorr lembra um bicho papão, que esgueira em todos os cantos, esperando o menor deslize para atacar suas vítimas. Por outro lado, A Poderosa Thor, faz jus ao seu nome. Empunhando o Mjolnir, Natalie Portman está radiante, brilhando em batalhas de modo bastante singelo e se mostrando muito à vontade em meio a verdadeiras divindades. Ela convence muito rapidamente ser digna de estar entre Deuses, com um carisma incontestável. E quando ela volta a ser apenas Jane Foster, a diferença é gritante.

Roteiro com pequenos defeitos:

Agora, em alguns momentos, o roteiro consegue se safar com algumas soluções criativas, como a narração de Korg e a relação entre Jane e Thor. Porém, o problema é quando não são tão graciosas assim. Por incrível que pareça, este é um dos poucos filmes da Marvel Studios que se beneficiaria de uma duração maior para desenvolver alguns pontos com mais calma. O roteiro quer dizer muita coisa e por isso não encontra muito tempo para respirar. E mesmo nessa briga contra o relógio, Waititi consegue guiar o espectador em uma jornada fantástica, completamente sentimental. Ainda que utiliza o humor como um complemento para a narrativa.

Mesmo sendo um filme de altíssimo orçamento, é visível o cuidado e o carinho com que Waititi trata o projeto, quase como um filho. Quando o diretor drena completamente as cores, é como se o ar fosse drenado junto de nossos pulmões. É uma sequência absurdamente fora do normal, em que Christian Bale, Natalie Portman, Tessa Thompson e Chris Hemsworth estão entregando tudo de si. Tanta coisa em jogo que é difícil não se arrepiar.

Conclusão:

Portanto, “Thor: Amor e Trovão” tem a maturidade de entender o humor como uma ferramenta para enfrentar a dor. Não tenta anular o sofrimento, mas encarar de uma forma menos dolorosa. Ainda apresenta um elenco incrível e uma direção de arte surreal. Este é um longa que vem para lembrar que dá para ser leve mesmo nos momentos difíceis, que vale muito mais ser intenso como amor e barulhento como trovão.

LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO FILMES DE ANIMAÇÃO QUE TAMBÉM SÃO COMÉDIAS ROMÂNTICAS LIVROS SOBRE MITOLOGIA GREGA, ALÉM DE PERCY JACKSON LIVROS QUE LEMBRAM “TODOS MENOS VOCÊ” ONDE ASSISTIR OS INDICADOS AO OSCAR 2024? LANÇAMENTOS DA EDITORA ALT EM 2024 Livros que serão adaptados em 2024 Contos natalinos para você ler no Kindle Unlimited Willy Wonka: Conheça as versões do personagem Expansão “Aluga-se” do The sims 4: O que esperar? A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes: vale a pena ver? Se o personagem do seu filme favorito fosse uma animação da Pixar Livros de Edgar Allan Poe em A Queda da Casa de Usher Músicas que falam sobre términos Livros com jogadores de futebol americano para você ler Livros do Grupo Editorial Record para o Dia das Crianças Conheça Cyberpunk 2077: Nenhum acaso AMOR E LIVROS! ENTREVISTA EXCLUSIVA COM JENNA EVANS WELCH, AUTORA DE AMOR E GELATO