...

É fato que John Green é um dos autores mais queridos e influenciados da atualidade, principalmente pelo público jovem, que se emocionou e apaixonou pela história de Hazel e Gus, em A Culpa é das Estrelas. Seu nome se tornou sinônimo de histórias profundas e emocionantes que conseguiram atingir em cheio o coração do leitor, usando questões delicadas, mas de uma não tão melodramática e triste. Com apenas sete livros publicados, tornou-se um fenômeno, vendendo milhões de exemplares em todo o mundo, além de emplacar várias adaptações para o cinema. Após seis anos sem novos lançamentos, John lançou ” Tartarugas até lá embaixo“, que já gerou discussões por tratar um assunto que nem é muito comentado. Mas antes, vamos saber um pouco mais da história.

Na história, somos apresentados a Aza Holmes, uma jovem de 16 anos, que decide caçar um milionário desaparecido junto a sua melhor amiga Daisy, em busca da recompensa oferecida de 100 mil dólares. Com essa introdução bem simples e curiosa, diga-se de passagem, poderíamos esperar mais um romance adolescente como tantos outros, mas é aí que aparece o elemento surpresa de John. Aza sofre de TOC, Transtorno Obsessivo Compulsivo, levando o leitor a uma viagem de agonia e desespero pelo universo de sua mente, tornando todo o resto como um mero plano de fundo. Muito bem criado, demonstrando cada detalhe e sentimento de alguém que possui tal problema.

Para quem não sabe, TOC é um transtorno mental que se caracteriza pela presença de diversas obsessões, que são pensamentos ou imagens indesejáveis que tomam conta da mente do individuo o obrigando a realizar diversos tipos de rituais com a intenção de afastar essas possíveis ameaças, causando muita ansiedade. Quando anunciou o lançamento desse novo livro, John Green explicou ao público que, apesar de ser um livro de ficção, essa história teria muito de si próprio. Em Tartarugas até lá embaixo temos a oportunidade de ter uma noção exata de como a doença afetou o autor por tantos anos.

Além disso, como se a história de Aza já não fosse impactante o suficiente, o autor, como em todas as suas histórias, cria romances improváveis e surpreendentes, reflexões sobre reencontros inesperados, o valor da amizade e da família e a tomada de decisões difíceis. Não há dúvidas ou qualquer ponto sem explicação, cada trecho, por mais simples que seja, ganha sua relevância e no final sabemos o porquê de terem feito parte da história.Cada personagem e detalhe foi composto para que entrássemos nas críticas apresentadas por Green, desde a trajetória da personagem principal até o cenário apresentado.

O livro, apesar de ficcional, nada mais é do que uma declaração de amor e confiança de John Green para o seu público. É uma carta, de coração aberto, de todos os medos que afetam o autor por tantos e tantos anos. Se você ainda tem dúvidas, deixe-as de lado, essa é uma história que você não pode deixar de ler.

Séries para quem amou Maxton Hall Bridgerton (3ª): O esperar da parte dois? Séries para você assistir no Dia das Mães As Melhores Trilhas Sonoras de Todos os Tempos Filmes de terror para assistir em maio 2024 FANFICS QUE VIRARAM FILMES PRODUÇÕES SOBRE FÓRMULA 1 A verdade sobre Bebê Rena Rota literária: conheça o aplicativo para leitores Top Filmes com ex-RBD FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã! Filmes que são Dark Fantasy 6 livros da editora Intrínseca para o Dia Internacional da Mulher Histórias de Akira Toriyama Livros com o casal Grumpy x Sunshine FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI