Após o sucesso de Euphoria, Sam Levinson apresenta seu mais recente projeto, com bastante drama e frases filosóficas sobre relação. Malcolm & Marie, estrelado por Zendaya e John David Washington, é um filme limitado no que se diz respeito ao espaço físico. E também em diversos pontos ao longo da narrativa.

Após voltar para casa da celebrada pré-estreia de seu primeiro filme, Malcolm (John David Washington) fala sobre a recepção do público e da crítica, com um copo de bebida na mão e música tocando ao fundo. Enquanto o diretor dá voltas pela sala, a câmera alterna entre acompanhá-lo e focar em sua esposa, Marie (Zendaya), que fuma um cigarro na varanda. Claramente com algo entalado na garganta, mas não por muito tempo.

O que mais impressiona é o fato de que tudo foi filmado durante a pandemia de Covid-19, com os atores e a produção em isolamento. A abordagem minimalista dá maior espaço para as performances e para o teor emocional do texto. O diretor/roteirista faz bom uso do pouco que tem ao colocar duas pessoas problemáticas em conflito. Além de tentar encontrar o amor de uma casa, mesmo quando a primeira pedra já foi atirada. O que parece um desentendimento pequeno, um vacilo cotidiano, logo toma proporções maiores. Não físicas, mas com o uso das palavras. Há uma brutalidade honesta na forma como a discussão avança. Em vez de explodir de uma vez só, os participantes se mostram relutantes, mudando de cômodos para evitar o incêndio. No entanto, fica um “vai e vem” que pode causar confusão e exaustão ao público.

O que realmente salva, e se torna a melhor característica do longa, são as performances. John David Washington exala sensualidade e prepotência em medidas iguais, e traz um pouco de humor pela forma como reage à própria falta de entendimento das necessidades da parceira. Mas quem realmente rouba toda cena em que aparece é Zendaya. A atriz não só faz parecer fácil segurar enormes monólogos e planos-sequência, como também transmite perfeitamente a relutância de alguém machucada pela vida. Mas que precisa encontrar forças para se comunicar quando algo lhe faz mal.

Em seus melhores momentos, o filme explora a dificuldade de comunicação quando um casal tem vocabulários tão distintos. Em contra partida, existe uma fascinação pela ideia de discutir cinema. É bem estabelecido que Malcolm é um cinéfilo, não só por profissão, mas também por paixão. A forma como isso é demonstrado na tela até pode servir para explicitar seu maior apego à sétima arte do que à própria parceira. Porém essa construção é conduzida sem sutileza alguma, de forma quase expositiva. É possível argumentar que o propósito dessas inserções é pedir que o espectador não pense muito a fundo no filme que assiste, mas elas mais soam como desabafos de Sam Levinson.

Mesmo que o longa peça que o público pare de tentar imaginar a intenção dos realizadores, o truque não se sustenta por ficar no caminho de uma história muito mais interessante e poderosa. Pior, chama a atenção a si próprio, levantando dúvidas sobre se é assim que Levinson percebe a arte. E se é assim que lida com a recepção crítica.

Assim como qualquer relacionamento, Malcolm & Marie é construído a partir de altos e baixos. Os picos aparecem quando demonstra um absurdo entendimento da dor, trauma, amor e humanidade. Os vales são os momentos em que se apaixona pelo som da própria voz, e acaba tentando soar mais inteligente do que realmente é. Há certa ironia em um filme que discursa tanto sobre a visão artística de um diretor/roteirista. Mas que é quase inteiramente sustentado por suas atuações.

FILMES DA TRILOGIA X DIRIGIDOS POR TI WEST Filmes originais da Netflix que são adaptações literárias Livros com o casal Ídolo e Fã! Filmes que são Dark Fantasy 6 livros da editora Intrínseca para o Dia Internacional da Mulher Histórias de Akira Toriyama Livros com o casal Grumpy x Sunshine FILMES DIRIGIDOS POR HAYAO MIYAZAKI NO STUDIO GHIBLI LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO FILMES DE ANIMAÇÃO QUE TAMBÉM SÃO COMÉDIAS ROMÂNTICAS LIVROS SOBRE MITOLOGIA GREGA, ALÉM DE PERCY JACKSON LIVROS QUE LEMBRAM “TODOS MENOS VOCÊ” ONDE ASSISTIR OS INDICADOS AO OSCAR 2024? LANÇAMENTOS DA EDITORA ALT EM 2024 Livros que serão adaptados em 2024 Contos natalinos para você ler no Kindle Unlimited Willy Wonka: Conheça as versões do personagem Expansão “Aluga-se” do The sims 4: O que esperar?