Não perca o polêmico Baile de Máscaras da Julia Quinn

Sendo o momento mais esperado da Bienal do Livro 2023, vamos comentar sobre o polêmico Baile de Máscaras da Julia Quinn. Afinal, fãs vieram de vários cantos só para ver a autora e ver um cena digna de Bridgerton. Mas, valeu a pena? Vamos descobrir falando sobre o polêmico Baile de Máscaras da Julia Quinn:

Veja também- Bienal do Livro 2023: 1° dia de estandes marcantes e muitos livros

Qual era a proposta do evento?

Após virar série na Netflix, o universo “Bridgerton” fixou no imaginário um visual próprio, e assumidamente fantasioso, do século XIX. Os figurinos, os cenários e as danças parecem ter saído das páginas dos livros. Dessa forma, a organização tentou trazer para o evento, programado como um “baile de máscaras com temática “Bridgerton”.

Veja tudo sobre o polêmico Baile de Máscaras da Julia Quinn
Julia Quinn no Baile de Máscaras na Bienal do Livro 2023

Mas foi bom de fato?

Na prática, acabou sendo uma mistura de mesa literária com mini elementos. Mesmo que nem todos fossem à rigor, não houve preocupação de decorar ou até recriar um ambiente imersivo. Os números de dança ficaram restritas a uma equipe de dez dançarinos, que reproduziram os icônicos passos de quadrilha da série ao som de composições da trilha sonora original.

A dinâmica não era exatamente de interação, mas público queria mesmo era ver e ouvir ao vivo a sua rainha. Julia respondeu algumas perguntas curtas da mediadora e viu o grande momento das danças. Além de tirar foto com os apaixonados pela obra.

O que o público achou do Baile de Máscaras da Julia Quinn?

Leia tudo sobre o polêmico Baile de Máscaras da Julia Quinn
Mayara Reis os dançarinos no Baile de Máscaras da Julia Quinn

Agora, o evento teve críticas mistas com relação a execução. Ou seja, alguns amaram outros nem tanto ou esperavam mais. A estudante de psicologia, Mayara Reis, contou um pouco de sua visão: “Eu estava muito ansiosa para o baile, como uma grande fã dos livros e da série. Eu achei que seria realmente um baile, que a gente pudesse ter a liberdade de dançar, enfim, fosse uma festa ou pelo menos tivesse um contato maior com a autora. Porém o evento foi muito desorganizado, ficamos horas na fila. O evento não tinha decoração, e não dava para falar com a autora” disse Mayara.

Ainda mais que enfatizou da ideia da proporção:”Eu esperava mais. Porém, o evento foi bom, já que pelo menos conseguimos ver a autora , ela falou um pouco sobre os livros e a série e tivemos uma apresentação linda com dançarinos caracterizados. Acredito que nenhum outro evento teria proporcionado isso, no entanto, para o próximo ano peço mais organização e que a Júlia volte no outro ano.” Neste caso, um evento digno, de fato, de realeza.

LANÇAMENTOS IMPERDÍVEIS DA EDITORA VERUS NO MÊS DE FEVEREIRO FILMES DE ANIMAÇÃO QUE TAMBÉM SÃO COMÉDIAS ROMÂNTICAS LIVROS SOBRE MITOLOGIA GREGA, ALÉM DE PERCY JACKSON LIVROS QUE LEMBRAM “TODOS MENOS VOCÊ” ONDE ASSISTIR OS INDICADOS AO OSCAR 2024? LANÇAMENTOS DA EDITORA ALT EM 2024 Livros que serão adaptados em 2024 Contos natalinos para você ler no Kindle Unlimited Willy Wonka: Conheça as versões do personagem Expansão “Aluga-se” do The sims 4: O que esperar? A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes: vale a pena ver? Se o personagem do seu filme favorito fosse uma animação da Pixar Livros de Edgar Allan Poe em A Queda da Casa de Usher Músicas que falam sobre términos Livros com jogadores de futebol americano para você ler Livros do Grupo Editorial Record para o Dia das Crianças Conheça Cyberpunk 2077: Nenhum acaso AMOR E LIVROS! ENTREVISTA EXCLUSIVA COM JENNA EVANS WELCH, AUTORA DE AMOR E GELATO